Dodge deve reexaminar processos em andamento, diz Gilmar

Para o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, a nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, deverá revisar os processos em andamento deixados pelo antigo procurador, Rodrigo Janot; Dodge assume o cargo nesta segunda-feira (18) e um dos processos a ser examinados é a denúncia por obstrução da Justiça e organização criminosa contra Michel Temer 

Para o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, a nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, deverá revisar os processos em andamento deixados pelo antigo procurador, Rodrigo Janot; Dodge assume o cargo nesta segunda-feira (18) e um dos processos a ser examinados é a denúncia por obstrução da Justiça e organização criminosa contra Michel Temer 
Para o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, a nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, deverá revisar os processos em andamento deixados pelo antigo procurador, Rodrigo Janot; Dodge assume o cargo nesta segunda-feira (18) e um dos processos a ser examinados é a denúncia por obstrução da Justiça e organização criminosa contra Michel Temer  (Foto: Charles Nisz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, afirmou hoje (18) que a nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que tomou posse nesta manhã, deve reexaminar processos em andamento, como a denúncia de organização criminosa e obstrução da Justiça contra Michel Temer. O antecessor de Raquel, Rodrigo Janot, apresentou a denúncia ao STF na última quinta-feira (14).

"Certamente, haverá revisões. Não vou dar opinião sobre isso. Certamente, a procuradora-geral vai fazer uma reanálise de todos os procedimentos que estão à sua disposição, de maneira natural ou provocada, para evitar erros e equívocos que estavam se acumulando", disse o ministro, após doar R$ 30 mil à instituição brasiliense de atendimento infantil Casa da Mãe Preta.

Gilmar Mendes, que, antes do compromisso na Casa da Mãe Preta, assistiu à posse de Raquel, revelou ter ficado "deveras impressionado" com o discurso da nova procuradora. Segundo o ministro, no discurso, além de assegurar o empenho com agendas como a de defesa dos direitos humanos, Raquel "enfatizou que investigações têm que ser feitas dentro dos devidos marcos legais, do devido processo legal."

O presidente do TSE e ministro do Supremo Tribunal Federal afirmou ainda que considera o mandato de Janot ineficiente. "Eu tenho a impressão de que, ao fim e ao cabo, tivemos muitos tumultos, muitos desacertos. Os episódios últimos, envolvendo a delação da JBS, creio que mostram bem isso, umas certas - vamos chamar assim - trapalhadas, umas certas perplexidades, que resultaram em ineficiência do próprio trabalho da PGR [Procuradoria-Geral da República]", afirmou o ministro.

O ministro  Gilmar Mendes doou à Casa da Mãe Preta o valor obtido em uma indenização paga pela atriz Monica Iozzi, que o criticou na rede social Instagram. Monica havia manifestado indignação com a decisão do ministro de soltar o médico Roger Abdelmassih, condenado a 181 anos de prisão por 48 estupros.

Congresso
Perguntado sobre a possibilidade de o Supremo Tribunal Federal decidir sobre a reforma política, Gilmar Mendes disse que a Corte deve analisar a questão da coligação proporcional, caso não avance na Câmara dos Deputados,  verificando se há processos sobre o assunto. "A Câmara ainda precisa discutir e aprofundar a questão nos últimos dias que nos restam em relação ao princípio da anualidade, para que nós saiamos um pouco desse quadro de crise, que foi engendrado também pelo modelo institucional anterior", disse.

Para o ministro, o Congresso também tem "sofrido muito em função dessas mazelas engendradas pelo sistema político que aí está". "É um Congresso que tem votado todas as leis e, certamente, temos que esperar que o Congresso atenda a esses apelos da população", concluiu. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247