Doleiro acusado de pagar propina a procurador, Messer esteve várias vezes na mira do MPF-PR, mas nunca foi denunciado

Conhecido como o "doleiro dos doleiros", Dario Messer é investigado desde a década de 1980 por suspeitas envolvendo operações financeiras ilegais. No entanto, Messer não foi denunciado e procuradores da Lava Jato ainda pediram sua absolvição. Em novembro, denúncia apontou que ele pagaria propina ao procurador Januário Paludo, integrante da força-tarefa

(Foto: Reprodução | ASCOM)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Reportagem do portal UOL revela que Dario Messer, conhecido como o "doleiro dos doleiros", é investigado desde a década de 1980 por suspeitas envolvendo operações financeiras ilegais. No início dos anos 2000, por exemplo, seu nome apareceu naquele que é considerado um dos maiores escândalos de lavagem de dinheiro do país, o caso Banestado. 

Segundo a reportagem, a investigação foi conduzida pelo MPF-PR (Ministério Público Federal do Paraná) e por procuradores que hoje fazem parte da Lava Jato. Messer, porém, nunca foi acusado na Justiça por eles.

Em 2015, o mesmo MPF-PR pediu sua absolvição por dúvidas sobre sua culpa, quando suas operações financeiras viraram motivo de processo criminal. 

No final de novembro, o mesmo site publicou, com base em relatório da Polícia Federal, a denúncia de que Dario Messer pagaria propina ao procurador Januário Paludo, o mais experiente da força-tarefa da Lava Jato.

Três ex-investigadores do caso Banestado trabalham hoje na Lava Jato: Deltan Dallagnol (coordenador da força-tarefa), Orlando Martello Junior e Januário Paludo, aponta a reportagem de Vinicius Konchinski. 

Ao analisar a história do doleiro em investigações do MPF-PR, vê-se que em diversas situações ele esteve em meio aos casos, mas, mesmo com testemunhos e outras evidências, nunca foi sequer denunciado.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247