Ernesto Araújo compra a guerra de Eduardo Bolsonaro contra a China e coloca em risco a economia brasileira

Submisso aos interesses de Donald Trump, o chanceler Ernesto Araújo seguiu o exemplo de Eduardo Bolsonaro e atacou o país que mais importa e mais investe no Brasil; com isso, ele contribui para a destruição completa da economia brasileira, que deve cair 10% no segundo trimestre deste ano

Embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, Eduardo Bolsonaro e Ernesto Araújo
Embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, Eduardo Bolsonaro e Ernesto Araújo (Foto: Agência Brasil)

247 - Um dia depois do ataque feito pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) à China, culpada por ele pela disseminação do coronavírus no mundo, por ser uma “ditadura”, o chanceler do governo Jair Bolsonaro, Ernesto Araújo, comprou a briga do filho do presidente.

O ataque de Eduardo foi repreendido pelo embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, que exigiu um pedido de desculpas do governo brasileiro. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu desculpas em nome do País pela declaração absurda do deputado.

Em um comunicado publicado nas redes sociais, Araújo diz ser “inaceitável” que o embaixador da China compartilhe mensagem ofensiva ao chefe de Estado e aos seus eleitores. Diz ainda que a opinião de Eduardo não corresponde à opinião do governo brasileiro, mas ressalva que seu posicionamento não atacou o chefe de Estado chinês.

Com a nota, o ministro das Relações Exteriores contribui para a destruição completa da economia brasileira, que deve cair 10% no segundo trimestre deste ano.

Leia a íntegra abaixo:

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247