FHC prega continuidade do modelo Temer após 2018

Embora o golpe tenha provocado a maior destruição de riquezas da história do Brasil, que tem hoje 14,2 milhões de desempregados, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso propõe a continuidade do modelo Temer, que é rejeitado por 92% dos brasileiros; segundo ele, é preciso organizar as forças políticas para que haja "continuidade"

Temer FHC
Temer FHC (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Luiz Guilherme Gerbelli e Patrícia Duarte

SÃO PAULO, 5 Mai (Reuters) - A reforma da Previdência é importante, mas sozinha não tem força suficiente para garantir a retomada do crescimento econômico de forma sustentada, que virá também com mais atuação de parceiras público-privadas, afirmou à Reuters o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

E esse passo, acrescentou, dependerá de uma certa "continuidade" do que está sendo feito hoje, referindo-se ao próximo governo que sairá das urnas em 2018.

"Houve a invenção de que ou se faz a Previdência ou o Brasil acabou", afirmou Fernando Henrique, que comandou o Brasil de 1995 a 2002 e é um dos fundadores do PSDB.

A reforma da Previdência, que está sendo analisada pelo Congresso Nacional, tem sido apontada pelo governo Michel Temer e por boa parte dos agentes econômicos como essencial para colocar as contas públicas em ordem e fazer a economia voltar a crescer depois de dois anos de recessão.

O ex-presidente defendeu que a reforma é importante para melhorar o lado fiscal do país e a "confiabilidade" dos investidores junto ao Brasil, e acrescentou que o governo Temer o tem surpreendido positivamente por conseguir colocar temas importantes na pauta. Mas logo emendou que é preciso mais, como parcerias com o setor privado, e investimentos em infraestrutura.

"Eu creio que o governo atual sabe disso", afirmou. "(Mas) é óbvio que um governo que tem essa origem (após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, sem voto popular), não tem força suficiente para fazer tudo que é necessário. Vamos precisar de uma eleição. Espero que seja possível até o ano que vem organizar as forças políticas."

A retomada, pontuou o ex-presidente, também depende "de fatores que são controláveis e não controláveis", e ressaltou que a economia mundial vive um ciclo de expansão, o que ajuda o Brasil a se recuperar. Também defendeu que estão vindo sinais positivos no agronegócio.

"A safra deste ano vai ser de 220 milhões de toneladas. Quando eu era presidente, nós comemoramos quando chegamos a 100 milhões de toneladas", afirmou.

O ex-presidente também enxerga uma via de crescimento econômico por meio dos investimentos em infraestrutura, mas isso só deve se confirmar se os investidores confiarem na economia brasileira.= 

AGENDA DE REFORMAS

Fernando Henrique, que também foi ministro da Fazenda durante o governo de Itamar Franco e ajudou a implementar o plano Real, disse que o governo Temer tem falhado na comunicação sobre as reformas. No caso da Previdência, acredita que a equipe econômica deveria ter encampado as mudanças como forma de reduzir privilégios, e não para melhorar o equilíbrio fiscal.

"As pessoas estão convencidas de que a reforma da Previdência é contra os trabalhadores", afirmou. "Quando você dá como motivação o equilíbrio fiscal, a comunicação está errada."

O tucano também elogiou a reforma trabalhista, sobretudo com o fim do imposto sindical, "uma medida tomada inspirada no governo fascista da Itália".

"O governo Temer mexeu em pontos difíceis que não dão popularidade, mas que levam o país a se aparelhar melhor para o mundo contemporâneo", afirmou.

Questionado ainda se sua própria história poderia se repetir agora, com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tornando-se presidente da República, avaliou ser muito difícil. Argumentou que, quando era ministro, a população sentiu "na hora" o bônus da estabilização da moeda.

"Agora, se tem caminho de sacrifício e não é um caminho de bonança", afirmou. "É difícil quem exerce o cargo de ministro da Fazenda se transformar em um candidato popular." 

(Reportagem adicional de Alexandre Caverni e Daniel Flynn)

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247