Fiscalizar contas públicas é coisa séria

Deputados e senadores não são os mais indicados para isso



Hélio Doyle

Fiscalizar, auditar e aprovar ou não as contas públicas são responsabilidades muito sérias. Por isso, o Tribunal de Contas da União é um órgão importante para a República. Logo, estão certíssimos os auditores do TCU ao reivindicar que o próximo ministro a ser nomeado seja um técnico, e não um político.

Os auditores do TCU, representados por sua associação – Auditar – elegeram um deles para disputar a vaga aberta com a aposentadoria do ministro Ubiratan Aguiar, ex-deputado pelo PSDB do Ceará. Aguiar, formado em Direito, nada tinha que o qualificasse para a função, assim como seu antecessor, o também ex-deputado Ademar Ghisi. Podem até ter aprendido no exercício do cargo, mas foram nomeados por um critério exclusivamente político. E ganharam uma boa aposentadoria integral.

O eleito pelos servidores, Rosendo Severo dos Anjos, é auditor de carreira e está no tribunal desde 1990. Certamente está mais capacitado a fiscalizar as contas dos órgãos públicos do que deputados e senadores que não só nada sabem do assunto como são cheios de compromissos e vícios políticos. Na verdade, são os auditores e técnicos que fazem o trabalho pesado no tribunal, elaborando os relatórios que ministros, muitas vezes, sequer examinam antes de levá-los a julgamento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O TCU funcionaria melhor e o país poderia ficar melhor se todos os nove ministros fossem técnicos ou tivessem a formação adequada para o cargo. Mas a Auditar age com cautela e mostra que absorveu algumas manhas políticas. A peça publicitária que produziu é provocativa, ao perguntar “o que você prefere: um nome técnico ou um político?” A presidente da entidade, Bruna Mara Couto, deixa claro, porém, que não defende uma composição estritamente técnica para o TCU. “Nesse caso”, argumenta, “seria então mais fácil substituir a nomeação por concurso público”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os auditores se dizem “otimistas e esperançosos” quanto à possibilidade de conseguir que a Câmara e o Senado aceitem sua indicação. Para isso, estão buscando apoios em alguns partidos e Bruna acha que, sendo informada sobre quais são os objetivos dos auditores, a sociedade ajudará a levar os parlamentares a aprovar a indicação de Rosendo.

Nos tribunais de contas dos estados e dos municípios a situação não é diferente. Governadores e deputados estaduais (em Brasília, distritais) aproveitam para nomear apadrinhados e colegas parlamentares, sem nenhum critério técnico. Pensam, inclusive, em ter nos tribunais pessoas com quem poderão contar quando suas contas forem julgadas. O ex-governador José Roberto Arruda nomeou para o TCDF, com aprovação da Câmara Legislativa, seu chefe de gabinete. Poucos dias depois, gravações mostravam o novo fiscalizador de contas em atos de evidente corrupção. Está afastado, mas ainda recebendo remuneração.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Auditores não estão imunes à corrupção. Mas passam mais confiança.

Como dever ser

O 31 de março passou tranquilo, sem maiores comoções. O comandante do Exército agiu com firmeza e impediu o general Augusto Heleno de fazer uma palestra sobre o tema. O general Heleno cumpriu a ordem. De resto, os murmúrios de sempre.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como não deve ser

O trio Renan Calheiros, Romero Jucá e José Sarney, todos do PMDB, foi ao Planalto reclamar que dois derrotados no ano passado ainda não receberam cargos no governo Dilma: o ex-senador Hélio Costa e o ex-governador José Maranhão. Depois de Geddel Vieira Lima na Caixa Econômica, tudo é possível.

Estava na cara

Pouco tempo bastou para desmascarar a manobra que foi a aprovação, pelo Conselho de Segurança da ONU, da zona de exclusão aérea na Líbia, a pretexto de proteger civis. Os países que executam a decisão estão participando ativamente da guerra interna, apoiando um dos lados e matando civis. E já falam em invasão terrestre. A CIA já age na Líbia há muito tempo.

Os Brics – Brasil, Rússia, Índia e China – e a Alemanha sabiam o que diziam quando optaram pela abstenção, a decisão mais correta. Não são cúmplices de mais essa hipocrisia de grandes potências.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email