CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Poder

Governo cobra gráfica da Folha por dano ao Enem

Vazamento de prova em 2009 custou R$ 46 milhes aos cofres do Ministrio da Educao; Grfica Plural, da empresa de Otvio Frias Filho ( dir), era responsvel pela impresso;seria essa a primeira briga da gesto Dilma com um grupo de comunicao?

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - A Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com uma ação na Justiça exigindo ressarcimento pelo vazamento da prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em 2009, que causou um prejuízo de R$ 46 milhões ao Ministério da Educação (MEC), em valores corrigidos. À época, o desenvolvimento da prova era responsabilidade do Consórcio Nacional de Avaliação e Seleção (Connasel), que imprimiu o exame na Gráfica Plural (parceria entre o grupo Folha e a Quad Graphics), de onde a cópia da prova foi roubada.

Contratada pelo Connasel para dar acabamento a duas provas diferentes e imprimir um total de 9,4 milhões de exemplares, a Plural sempre negou responsabilidade no vazamento e alega ter cumprido todas suas obrigações de segurança. Nesta semana, quatro dos cinco acusados de participar do crime foram condenados por violação de sigilo funcional e corrupção passiva. Considerado o mentor do roubo pela Polícia Federal, Felipe Pradella pegou cinco anos e três meses de prisão.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Filipe Ribeiro Barbosa e Marcelo Sena Freitas foram condenados a 4 anos e 6 meses em reclusão de regime semiaberto e Gregory Camillo teve a pena revertida em prestação de serviços comunitários. O quinto réu, Luciano Rodrigues, foi absolvido. Pradella, Barbosa e Freitas eram funcionários da Gráfica Plural na época do vazamento e o esquema foi descoberto quando eles tentaram vender o material a jornalistas por R$ 500 mil.

O vazamento da prova culminou no cancelamento do Enem dias antes da data programada, prejudicando quatro milhões de estudantes e demandando um gasto 30% maior que o planejado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), vinculado ao MEC. Para o Ministério, esgotaram-se as possibilidades de cobranças administrativas ao consórcio e o caso só pode ser resolvido na Justiça. O Connasel prometeu se manifestar publicamente nesta quinta-feira sobre o assunto.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO