Grupo tenta diminuir autonomia de Peluso no CNJ

Um dos motivos dessa articulao interna foi a crise envolvendo a falta de transparncia nos oramentos dos tribunais federais e estaduais, que ops o STF e a corregedora Eliana Calmon

Grupo tenta diminuir autonomia de Peluso no CNJ
Grupo tenta diminuir autonomia de Peluso no CNJ (Foto: ANDRE DUSEK/AGÊNCIA ESTADO)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cezar Peluso, é alvo desde ontem de uma mobilização de integrantes do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), que tentam reduzir seus poderes como presidente do conselho.

Duas propostas serão apresentadas na semana que vem. Segundo a Folha, uma autoriza uma comissão interna a tomar a iniciativa de fiscalizar a transparência de gastos dos tribunais federais e estaduais. A outra retira da presidência a prerrogativa de escolher e destituir o secretário-geral, cargo responsável pelo apoio técnico e administrativo do CNJ.

O regimento interno do CNJ diz que cabe à presidência do órgão fiscalizar os portais de transparência dos tribunais -com exceção do STF- e nomear o secretário-geral, função ocupada hoje pelo juiz Fernando Marcondes, homem de confiança de Peluso.

Dois episódios levaram a essa articulação interna: a crise envolvendo a falta de transparência nos orçamentos dos tribunais federais e estaduais, que opôs Peluso e a corregedora Eliana Calmon, principalmente no caso do Tribunal de Justiça paulista, e dois recentes contratos, de R$ 44,9 milhões e R$ 8,6 milhões, assinados pela administração do CNJ para a informatização do órgão.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email