CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Poder

Ideli sob pressão

Base aliada cobra liberao de restos a pagar de 2009, faz operao padro e ameaa paralisar votaes

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Rodolfo Borges_247, de Brasília – A ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, enfrenta uma semana de cobranças no Congresso Nacional por conta dos restos a pagar de 2009. Se os prefeitos não executarem até esta quinta-feira, 30 de junho, os gastos autorizados naquele ano, perdem o dinheiro e terão de se entender com seus eleitores. A base aliada do governo pede a prorrogação do decreto presidencial que estende o prazo para além desta semana, mas, preocupada com a contenção de gastos, a presidente Dilma Rousseff não está disposta a abrir a mão.

Essa economia pode sair caro para o governo. Para garantir o dinheiro, os líderes da base ameaçaram, em almoço com a ministra, não votar nem os destaques ao Regime Diferenciado de Contratações (RDC) para as obras da Copa do Mundo de 2014, mas atenderam ao apelo de Ideli de garantir pelo menos a aprovação do dispositivo. A votação, contudo, ocorre em clima de “operação padrão”, sem pressa, para demonstrar a insatisfação dos deputados.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

As lideranças aguardam para esta quarta-feira a resposta de Dilma à demanda feita via Ideli. Em almoço com a bancada do PDT no Senado, realizado nesta terça-feira, a presidente pediu aos senadores que não contribuam para a pressão pela prorrogação dos restos a pagar. Mas mesmo o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), admitiu que será difícil segurar a base do governo sem a prorrogação.

A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) calcula em pelo menos R$ 1,3 bilhão os restos a pagar que devem ser cancelados nesta semana. São recursos como os R$ 150 mil conseguidos em 2009 pela prefeitura de Coronel Vivida (PR) para a construção do centro cultural da cidade. Em visita a Brasília para participar da Marcha dos Prefeitos, o prefeito Fernando Gugik contou ao Brasil 247 que o dinheiro nunca chegou, por complicações internas da Caixa Econômica Federal. “Quem paga o pato é o prefeito, que sai como mentiroso”, lamentou.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO