Janot pediu a Temer investigação internacional sobre Serra

Ainda no comando do Procuradoria-Geral da República, Rodrigo Janot se reuniu com Michel Temer para pedir autorização do governo para uma investigação internacional que envolveria o então ministro das Relações Exteriores José Serra, do PSDB; episódio foi narrado em tom de indignação pelo próprio Janot no mês passado, durante uma reunião de trabalho com procuradores-gerais sul-americanos em Brasília; "Fui ao presidente da República e disse: 'Presidente, como é que nós vamos montar uma equipe conjunta cujo objeto é investigar o chanceler se esse ato deve ser feito pelo chanceler?'", relatou Janot

Ainda no comando do Procuradoria-Geral da República, Rodrigo Janot se reuniu com Michel Temer para pedir autorização do governo para uma investigação internacional que envolveria o então ministro das Relações Exteriores José Serra, do PSDB; episódio foi narrado em tom de indignação pelo próprio Janot no mês passado, durante uma reunião de trabalho com procuradores-gerais sul-americanos em Brasília; "Fui ao presidente da República e disse: 'Presidente, como é que nós vamos montar uma equipe conjunta cujo objeto é investigar o chanceler se esse ato deve ser feito pelo chanceler?'", relatou Janot
Ainda no comando do Procuradoria-Geral da República, Rodrigo Janot se reuniu com Michel Temer para pedir autorização do governo para uma investigação internacional que envolveria o então ministro das Relações Exteriores José Serra, do PSDB; episódio foi narrado em tom de indignação pelo próprio Janot no mês passado, durante uma reunião de trabalho com procuradores-gerais sul-americanos em Brasília; "Fui ao presidente da República e disse: 'Presidente, como é que nós vamos montar uma equipe conjunta cujo objeto é investigar o chanceler se esse ato deve ser feito pelo chanceler?'", relatou Janot (Foto: Aquiles Lins)

247 - Ainda no comando do Procuradoria-Geral da República, Rodrigo Janot se reuniu com Michel Temer para pedir autorização do governo para uma investigação internacional que envolveria o então ministro das Relações Exteriores José Serra, do PSDB.

O episódio foi narrado em tom de indignação pelo próprio Janot no mês passado, durante uma reunião de trabalho com procuradores-gerais sul-americanos em Brasília.

O agora ex-procurador-geral contou que a Espanha havia identificado uma empresa que transferia dinheiro para campanhas de políticos brasileiros e recebia suborno quando contratada no Brasil. Segundo Janot, os espanhóis já haviam, inclusive, identificado o caminho do dinheiro e o pagamento do suborno.

O problema, disse à época, era que a tramitação do assunto no governo passaria por um dos suspeitos: o próprio Serra, então ministro das Relações Exteriores. Segundo Janot, caberia a ele, como chanceler, produzir o texto que formalizaria a equipe de investigação conjunta.

"Eu, naquela época, eu ainda não tinha uma ação penal contra o presidente nem investigação. Fui ao presidente da República e disse: 'Presidente, como é que nós vamos montar uma equipe conjunta cujo objeto é investigar o chanceler se esse ato deve ser feito pelo chanceler?' Depois que o DRCI libera a parte técnica, ele é feito pelo chanceler'", contou Janot, narrando sua conversa com Temer.

Passados pouco mais de sete meses – período no qual Serra deixou o governo, Rodrigo Janot apresentou duas denúncias contra Temer e teve o mandato encerrado como procurador-geral –, a autorização para início das apurações, por meio da formação de uma força-tarefa com investigadores da Espanha, ainda não saiu.

Leia mais informações em reportagem do G1.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247