Jorge Viana nega renúncia: ‘Isso aí pode esquecer’

"Não cogito renunciar. Não existe isso: vou agravar a crise? Fui eleito vice-presidente do Senado", afirmou o senador Jorge Viana (PT-AC) à jornalista Andreia Sadi; "Você acha que alguém teve coragem de me propor isso?", questionou, após a circulação da notícia de que ele teria dito que não tem condições de assumir a presidência do Senado se Renan Calheiros for afastado; nesse caso, Romero Jucá (PMDB-RR), que defendeu a saída de Dilma para "estancar a sangria" da Lava Jato, assumiria

Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária. À mesa, senador Jorge Viana (PT-AC) preside sessão. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária. À mesa, senador Jorge Viana (PT-AC) preside sessão. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O senador Jorge Viana (PT-AC) negou nesta quarta-feira 7 os rumores de que renunciará ao cargo de primeiro-vice-presidente do Senado caso o Supremo Tribunal Federal (STF) confirme o afastamento de Renan Calheiros (PMDB-AL).

"Não cogito renunciar. Não existe isso: vou agravar a crise? Fui eleito vice-presidente do Senado", afirmou Viana à jornalista Andreia Sadi, da Globonews. Ele atribuiu rumores de uma eventual saída a "algum senador que não queira" vê-lo no comando do Senado.

"Você acha que alguém teve coragem de me propor isso?", questionou. "Isso aí pode esquecer", acrescentou o parlamentar, ressaltando ter "responsabilidade". Caso Viana renunciasse, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), que defendeu a saída de Dilma Rousseff para "estancar a sangria" da Lava Jato, assumiria o lugar de Renan.

Viana também disse que essa possibilidade nunca chegou a ele. A notícia foi publicada na coluna Painel, da Folha de S. Paulo, nesta quarta. Confira as notas abaixo:

Roleta viciada O comando do Senado pode cair no colo de Romero Jucá, segundo-vice da Casa. Na noite de segunda (5), à saída da residência de Renan Calheiros, senadores ficaram com a sensação de que a renúncia ao cargo de primeiro-vice é considerada pelo petista Jorge Viana caso o STF confirme o afastamento do peemedebista. Viana deixou exposto seu dilema: se pautar a PEC do teto na terça-feira (13), rompe com a esquerda; se não o fizer, será acusado de aprofundar a debacle econômica.

Golpista, não! "Não contem comigo para fazer com eles o que eles fizeram conosco. O Brasil não merece isso", afirma Jorge Viana. Sobre a renúncia, o senador responde: "Não teria sentido fazer uma discussão dessas agora".

Alto lá Dirigentes petistas dizem que pior do que colocar a PEC do teto em votação é entregar o Senado nas mãos de Jucá, um dos principais articuladores do impeachment.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247