Lava Jato teme que Moro seja alvo de busca e apreensão humilhante no caso Tacla Duran

Integrantes da força-tarefa avaliam que isto pode acontecer em razão do fato de o advogado Carlos Zucolotto, amigo do ex-juiz e ex-ministro Sérgio Moro, ter negociado com Tacla Duran

Sérgio Moro e Tacla Duran
Sérgio Moro e Tacla Duran (Foto: REUTERS/Adriano Machado | Lula Marques)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba vem demonstrando preocupação com a possibilidade de que a retomada da negociação em torno de uma delação premiada do advogado Rodrigo Tacla Duran resulte em uma operação de "busca e apreensão desmoralizante" contra o ex-juiz e ex-ministro Sérgio Moro. Uma ação desta natureza colocaria por terra o discurso de imparcialidade adotado pela operação, além de representar o fim das pretensões políticas de Moro em disputar as eleições presidenciais de 2022.

Segundo reportagem do jornal Valor Econômico, a avaliação dos procuradores é que a retomada das negociações por novos depoimentos  de Tacla Duran seja utilizada politicamente pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, para minar a credibilidade da operação e turbinar o capital político de Jair Bolsonaro, que visa a reeleição.

As tratativas entre a PGR e Tacla Duran para um acordo de delação premiada foram retomadas em junho. Ele acusa o também advogado Carlos Zucolotto, padrinho de casamento de Sérgio Moro, de agir como intermediário de negociações paralelas, envolvendo supostos pagamentos de propinas entre delatores e investigadores da Operação Lava Jato.

A proposta de delação de Tacla Duran, que era operador financeiro da empreiteira Odebrecht no exterior, foi rejeitada pela Lava Jato em 2016. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247