Liberou geral nos Transportes

Um dia depois de a CGU apontar 66 iregularidades em 17 licitaes do Ministrio dos Transportes, Paulo Passos anuncia que o governo vai diminuir as restries tcnicas dos editais de licitao, para tornar o processo mais gil

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Evam Sena_247, em Brasília – O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, anunciou nesta sexta-feira, 9, que o governo vai diminuir as restrições técnicas dos editais de licitação para obras de rodovias e ferrovias, com o objetivo de tornar o processo mais competitivo. 

A decisão vem depois da divulgação de relatório da CGU (Controladoria Geral da União) sobre auditoria em 17 processos de licitação e contratos no total de R$ 5,1 bilhões, que aponta 66 irregularidades e desvio potencial de R$ 682 milhões. Passos anunciou também aumento na fiscalização de obras. Não há data ainda para implementação das mudanças. 

O ministro negou que o relaxamento nas condições técnicas vai diminuir a qualidade das empresas. “É possível conciliar processo competitivo garantindo a participação de empresas que podem entregar a encomenda. Aumentando competição, poderemos ter expectativas de preços finais e potencial de conluio menor", disse. 

"Quando restringimos a competição, voltam as mesmas empresas de sempre, e facilita a oportunidade do conluio. Se você abre mais, dá mais oportunidade para mais empresas", disse o diretor-geral do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), Jorge Ernesto Fraxe. 

Em uma das obras auditadas pela CGU, cujas irregularidades motivaram o afastamento do ex-diretor-geral interino do Dnit, José Henrique Sadok Sá, foi encontrado indício de conflito de interesse e conluio entre licitantes. O contrato para obra da BR-174 em Roraima era entre o governo do estado, com recursos do Dnit, e a Construtora Araújo Ltda, cuja dona era mulher de Sadok. 

Um dos mais freqüentes problemas apontados pela CGU, a má qualidade dos projetos base, será enfrentado, segundo Passos, com o aumento do rigor na elaboração e a presença de técnicos regionais do Dnit nos locais planejados para as obras. 

Segundo relatório da CGU divulgado nesta quinta-feira, no lote 7 da BR-101-Nordeste (em Pernambuco), obra em que mais se encontrou irregularidades, o traçado previsto para a rodovia passava dentro de um açude de abastecimento de parte do estado. 

O ministro admitiu que a fiscalização da pasta é “deficiente” a anunciou mais medidas, como visitas em obras em execução, varredura nos empreendimento condenados pela CGU e investigação em projetos contratados e não iniciados. Neste último, caso não haja possibilidade de correção, o contrato pode ser cancelado. 

"Não existia fiscalização? Afirmar isso é fazer uma afirmação exagerada. Havia fiscalização. Mas nós podemos e devemos avançar para mecanismos mais aprimorados e rigorosos. Havia uma fiscalização deficiente", declarou. 

A auditoria CGU foi determinada pela presidente Dilma Rousseff depois da onda de denúncias que envolveram o Ministério dos Transportes e levaram à renúncia do ex-ministro Alfredo Nascimento, do ex-diretor-geral do Dnit Luiz Antônio Pagot e de pelo menos 25 funcionários. O rigor de Dilma gerou insatisfação no PR, partido que comandava a pasta, a ponto de a legenda sair da base aliada ao governo no Congresso e declarar independência.

Sondados pelo governo para retornar à base, parlamentares do PR avaliaram o relatório como “inconclusivo”. A auditoria não aponta responsáveis pelas irregularidades. Nascimento, também presidente nacional do partido, afirmou que as conclusões da CGU não esclarecem o envolvimento de sua equipe nos desvios. “Nascimento aguarda e mantém sua determinação de ver as suspeitas veiculadas pela imprensa, sem a apresentação de provas, esclarecidas de modo cabal pelos órgãos de investigação”, declarou.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247