Líder do governo Temer, Jucá é denunciado por Janot pela 3ª vez

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou ao Supremo Tribunal Federal o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), sob a acusação de pedir e receber R$ 150 mil em propina para atuar a favor da Odebrecht na tramitação de duas medidas provisórias no ano de 2014; é a terceira denúncia de Janot contra Jucá em um período de sete dias

Senador Romero Jucá (PMDB-RR)
Senador Romero Jucá (PMDB-RR) (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou ao Supremo Tribunal Federal (STF) o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), sob a acusação de pedir e receber 150 mil reais em propina para atuar a favor da Odebrecht na tramitação de duas medidas provisórias no ano de 2014.

Jucá foi acusado criminalmente de ter cometido os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. É a segunda denúncia feita por Janot contra ele em menos de uma semana.

Segundo a acusação, o pagamento da propina foi feito por meio de uma doação de 150 mil reais ao diretório do PMDB de Roraima - esse repasse depois bancou a campanha do filho de Jucá, Rodrigo, então candidato a vice-governador daquele Estado.

Em troca, segundo a PGR, o senador atuou para alterar legislações tributárias de interesse do grupo Odebrecht em duas iniciativas legislativas.

"Romero Jucá efetivamente agiu, violando dever funcional, apresentando emendas, atuando como relator e votando em favor do grupo Odebrecht em tramitação de ao menos duas medidas provisórias", afirma Janot, na denúncia de 40 páginas.

O procurador-geral também denunciou o ex-diretor da Odebrecht Cláudio Mello Filho por corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

O advogado de Jucá, Antonio Carlos de Almeida Castro, criticou a denúncia oferecida contra seu cliente. Disse que a acusação é surpreendente porque a Polícia Federal não havia encerrado a investigação do inquérito.

"O procurador Janot resolveu atirar todas as flechas possíveis", reclamou Kakay, como é conhecido, ao considerar que o Supremo vai rejeitar o recebimento da acusação.

O defensor disse ainda que Janot não apontou na denúncia nenhum ato que Jucá tenha praticado. "Realmente ele está sendo denunciado pelo prestígio que tinha e o empresário apostava no prestígio dele", afirmou. "É um caso de criminalização da atividade parlamentar sem que se aponte uma contrapartida."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247