Líder do PPS: Temer não terá voto nem do relator da reforma da Previdência

Com uma bancada de oito deputados federais, entre eles o relator da reforma da Previdência na Câmara, Arthur Maia (BA), o PPS é mais um partido da base do governo a se rebelar contra o texto da PEC 287; segundo o líder do partido na Câmara, deputado Arnaldo Jordy (PA), a bancada não dará "um voto sequer" para o projeto original; "A bancada do PPS não dá um voto para esse projeto do jeito que foi colocado", disse, durante um debate sobre o tema promovido pelo partido; "Talvez o PPS tenha sido um dos primeiros a dizer que a proposta do governo tal qual foi apresentada, na nossa bancada, salvo engano, não tem um voto. Nem do relator, que foi escolhido pelo governo", afirmou Jordy, se referindo ao deputado Arthur Maia (BA)

Com uma bancada de oito deputados federais, entre eles o relator da reforma da Previdência na Câmara, Arthur Maia (BA), o PPS é mais um partido da base do governo a se rebelar contra o texto da PEC 287; segundo o líder do partido na Câmara, deputado Arnaldo Jordy (PA), a bancada não dará "um voto sequer" para o projeto original; "A bancada do PPS não dá um voto para esse projeto do jeito que foi colocado", disse, durante um debate sobre o tema promovido pelo partido; "Talvez o PPS tenha sido um dos primeiros a dizer que a proposta do governo tal qual foi apresentada, na nossa bancada, salvo engano, não tem um voto. Nem do relator, que foi escolhido pelo governo", afirmou Jordy, se referindo ao deputado Arthur Maia (BA)
Com uma bancada de oito deputados federais, entre eles o relator da reforma da Previdência na Câmara, Arthur Maia (BA), o PPS é mais um partido da base do governo a se rebelar contra o texto da PEC 287; segundo o líder do partido na Câmara, deputado Arnaldo Jordy (PA), a bancada não dará "um voto sequer" para o projeto original; "A bancada do PPS não dá um voto para esse projeto do jeito que foi colocado", disse, durante um debate sobre o tema promovido pelo partido; "Talvez o PPS tenha sido um dos primeiros a dizer que a proposta do governo tal qual foi apresentada, na nossa bancada, salvo engano, não tem um voto. Nem do relator, que foi escolhido pelo governo", afirmou Jordy, se referindo ao deputado Arthur Maia (BA) (Foto: Aquiles Lins)

247 - Com uma bancada de oito deputados federais e ocupando dois ministérios no governo de Michel Temer - o da Defesa, com Raul Jungmann, e o da Cultura, com Roberto Freire - o PPS é mais um partido da base do governo a se rebelar contra o texto da PEC 287, que trata da reforma da Previdência.

Segundo o líder do partido na Câmara, deputado Arnaldo Jordy (PA), a bancada não dará um voto sequer para o projeto original da reforma. "A bancada do PPS não dá um voto para esse projeto do jeito que foi colocado", disse, durante um debate sobre o tema promovido pelo partido.

"Talvez o PPS tenha sido um dos primeiros a dizer que a proposta do governo tal qual foi apresentada, na nossa bancada, salvo engano, não tem um voto. Nem do relator, que foi escolhido pelo governo", afirmou o parlamentar. 

Jordy, que é autor de duas emendas ao texto, afirmou que o PPS já apoiou dez emendas e pode dar apoio, ainda, a outras duas sugestões de mudanças. A intenção, segundo ele, é corrigir os privilégios que existem no atual sistema de Previdência Social.

Conheça a TV 247

Mais de Poder

Ao vivo na TV 247 Youtube 247