Lobão e Gleisi devem aparecer na lista

Entre os 54 nomes da lista do procurador-geral, Rodrigo Janot, enviado ao STF, com pedidos de abertura de inquérito a fim de investigar pessoas suspeitas de envolvimento no caso de corrupção da Petrobras, também estariam Edison Lobão (PMDB-MA), a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o deputado federal Nelson Meurer (PP-PR)

Entre os 54 nomes da lista do procurador-geral, Rodrigo Janot, enviado ao STF, com pedidos de abertura de inquérito a fim de investigar pessoas suspeitas de envolvimento no caso de corrupção da Petrobras, também estariam Edison Lobão (PMDB-MA), a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o deputado federal Nelson Meurer (PP-PR)
Entre os 54 nomes da lista do procurador-geral, Rodrigo Janot, enviado ao STF, com pedidos de abertura de inquérito a fim de investigar pessoas suspeitas de envolvimento no caso de corrupção da Petrobras, também estariam Edison Lobão (PMDB-MA), a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o deputado federal Nelson Meurer (PP-PR) (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Entre os 54 nomes de investigados da lista do procurador-geral, Rodrigo Janot, enviado ao STF, também estariam Edison Lobão (PMDB-MA), a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o deputado federal Nelson Meurer (PP-PR).

A Procuradoria-Geral da República protocolou na noite de ontem (3) a lista com pedidos de abertura de inquérito a fim de investigar pessoas suspeitas de envolvimento no caso de corrupção da Petrobras.

Nomes não foram divulgados, mas já se sabe que Renan Calheiros e Eduardo Cunha foram citados. O 247 também noticiou, com exclusividade, que o governador Tião Viana, do Acre, está na lista; ministro Teori Zavascki decidirá sobre quebra de sigilo.

O senador Valdir Raupp (PMDB-RO) e presidente do PP, o senador Ciro Nogueira (PI), podem ter sido citados igualmente, segundo reportagem da 'Folha de S. Paulo' (leia aqui). 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247