Luis Felipe Miguel: esquerda precisa reavivar a luta de classes

"O melhor caminho é mesmo apostar nessa gelatina discursiva ou, ao contrário, buscar uma articulação política e discursiva que parta de uma identificação mais nítida dos eixos centrais de dominação social e dos grupos afetados por eles?", questiona o analista político Luis Felipe Miguel, ao alertar para discursos populistas

Por Luis Felipe Miguel, em seu Facebook

O "populismo" parece ser a aposta para uma esquerda que descrê da possibilidade de reavivar a luta de classes. Até Nancy Fraser empresta seu prestígio à tese do "populismo progressista" como alternativa possível ao neoliberalismo.

Laclau aponta que o populismo, um discurso político sempre acusado de ser vago e indeterminado, deve ser entendido como resposta a uma realidade social que é, ela própria, marcada por vagueza e indeterminação.

Sempre achei que esse veredito precisaria ser demonstrado. A realidade social é mesmo tão vaga, tão indeterminada? O que isso quer dizer?

Ou vaga e indeterminada é nossa análise, preguiçosa ou impotente diante de uma realidade complexa?

Mesmo deixando isso de lado, convém lembrar que o próprio Laclau não cansa de afirmar o caráter produtivo do discurso político - sua resposta à outra acusação constante contra o populismo, de que seria "mera retórica".

Nesse caso, o populismo seria reflexo ou produtor da vagueza e indeterminação da realidade social?

E, sendo assim, o melhor caminho é mesmo apostar nessa gelatina discursiva ou, ao contrário, buscar uma articulação política e discursiva que parta de uma identificação mais nítida dos eixos centrais de dominação social e dos grupos afetados por eles?

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247