Lula: 'hora de lutar pela Previdência é agora'

Na parte final da entrevista histórica ao El País e Folha de S. Paulo, o ex-presidente Lula pediu engajamento da população contra a proposta de reforma da Previdência; "[Tem que] cobrar o Congresso Nacional, fazer pressão. Você acha que vai [evitar] aprovar a reforma da Previdência Social como eles querem fazendo uma manifestação na avenida Paulista? Não. A manifestação tem que ser na cidade do deputado federal. Tem que ser na porta da casa dele. Na rua dele. Nós temos que brigar", diz Lula 

Lula: 'hora de lutar pela Previdência é agora'
Lula: 'hora de lutar pela Previdência é agora'
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Na mensagem final da entrevista que concedeu ao El País e à Folha de S. Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu engajamento da população contra a proposta de reforma da Previdência de Jair Bolsonaro, de Paulo Guedes e do mercado financeiro. Segundo Lula, é pressionar os deputados federais em suas bases para votarem contra a proposta. 

Leia o trecho:

"Quem coloca o ministro da Educação que ele colocou não gosta de educação. Quem coloca o cara [ministro] do Meio Ambiente que ele colocou não gosta de meio ambiente. Quem coloca o Guedes na economia não gosta do povo. Em vez de ficar esperando que o Bolsonaro resolva o nosso problema, nós temos, enquanto sociedade civil organizada, que começar a nos mexer, a lutar, a brigar pelos nossos interesses.

Cobrar o Congresso Nacional, fazer pressão. Você acha que vai [evitar] aprovar a reforma da Previdência Social como eles querem fazendo uma manifestação na avenida Paulista? Não. A manifestação tem que ser na cidade do deputado federal. Tem que ser na porta da casa dele. Na rua dele. Nós temos que brigar.

Então o meu otimismo é esse. Eu nunca dependi de nada. Nunca fiquei esperando. Nós temos que construir a nossa proposta e ir para a rua, via Congresso, pressão em cima do governo. É uma disputa."

Assista à entrevista na íntegra:

 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247