“Lula sempre ouviu evangélicos”, destaca Benedita da Silva

Para a deputada federal do PT, desigualdade social, desemprego e mortes provocadas pela pandemia farão o segmento religioso se distanciar de Bolsonaro

www.brasil247.com - Deputada Benedita da Silva e Lula
Deputada Benedita da Silva e Lula (Foto: Stuckert)


247, com informações do PT na Câmara - A deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ), em entrevista à Veja, disse que não existe nenhuma dificuldade na relação entre o eleitorado evangélico e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que lidera as pesquisas de intenção de voto na disputa pelo Palácio do Planalto. A deputada destaca ainda, que insatisfação dos evangélicos, que também sofrem com o aumento da desigualdade social, com o desemprego, com a carestia e a morte dos seus entes queridos, afastará o segmento de Bolsonaro.

Evangélica, vinculada à Igreja Presbiteriana Betânia em Niterói (RJ) e ex-ministra da Assistência e Promoção Social do governo Lula, Benedita é uma das pontes do PT com esse segmento religioso, que representa, segundo o Datafolha, 31% dos eleitores brasileiros – um universo de mais de 45 milhões de pessoas.

 “O PT respeita, valoriza e defende o que determina a nossa Constituição com princípios de convivência democrática e que nenhum segmento possa impor o seu pensamento aos demais. Isso significa dizer que o direito de um termina quando começa o do outro”, afirmou a parlamentar. Abaixo, os principais trechos da entrevista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O eleitorado evangélico foi decisivo para a vitória do presidente Jair Bolsonaro nas eleições de 2018. Na sua avaliação, como o PT deve reconquistar esse segmento e levá-lo para o campo da esquerda em 2022? 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Boa parte dos filiados e militantes do PT é evangélica e isso já cria várias pontes para o diálogo. Além disso, o maior fator de reaproximação da base evangélica e também de muitos pastores com Lula é a realidade social que os nossos irmãos e irmãs estão passando. Para o povo que sofre calado, basta comparar a situação atual com a sua vida durante o governo de Lula.

Como a senhora define a relação do ex-presidente Lula e o eleitorado evangélico? 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A relação dos evangélicos com o Lula sempre existiu e sempre foi muito boa. Ou seja: esse diálogo com os evangélicos sempre foi frequente e o Lula sempre ouviu essa parcela da nossa sociedade. Portanto, por esses motivos, não existe nenhuma dificuldade nessa relação. 

Bolsonaro ostenta baixos índices de aprovação entre o eleitorado brasileiro, mas ainda mantém apoio entre os evangélicos. O que pode abalar o endosso do eleitorado conservador ao chefe do Executivo?

Sem dúvida existe a insatisfação do povo brasileiro, onde se inclui o povo evangélico, que também sofre com o aumento da desigualdade social, com o desemprego, com a carestia e a morte dos seus entes queridos. A pandemia não poupou nenhum setor social, inclusive o povo evangélico.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em caso de vitória de Lula, como um governo do PT vai lidar com o segmento evangélico? Durante o governo Dilma, essa relação foi tensa e obrigou o governo a engavetar o kit anti-homofobia, por exemplo.

Nos treze anos que em governou o país, o PT mostrou claramente que respeita a diversidade religiosa da população brasileira conforme os princípios do Estado laico. Nesse sentido, o partido manteve e mantém com os segmentos evangélicos diálogos construtivos sempre em prol da melhoria das condições de vida do povo mais pobre. Em um possível novo governo do PT, manteremos o mesmo respeito e vamos procurar ampliar ainda mais o nosso diálogo com as diferentes denominações religiosas.

Aliados de Bolsonaro planejam retomar a “pauta de costumes” – como aborto, casamento gay, descriminalização das drogas – para tentar afastar o eleitorado conservador da candidatura de Lula. Essa pauta não é perigosa para o PT? 

O PT é um partido organizado em todo o país e cumpre a Constituição brasileira, que garante a pluralidade ideológica e religiosa da sociedade. Portanto, o PT respeita, valoriza e defende o que determina a nossa Constituição com princípios de convivência democrática e que nenhum segmento possa impor o seu pensamento aos demais. Isso significa dizer que o direito de um termina quando começa o do outro. Para isso temos a Constituição Federal.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email