Maia afirma que pode pautar MP do auxílio se base governista seguir obstruindo votações

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que poderá pautar a MP que prorroga o pagamento do auxílio emergencial até o fim do ano, como uma “alternativa” ao impasse gerado pela obstrução das votações

Rodrigo Maia
Rodrigo Maia (Foto: Zeca Ribeiro - Agência Câmara)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Maria Carolina Marcello, Reuters - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta terça-feira que pautar a MP que prorroga o pagamento do auxílio emergencial até o fim do ano, mas no valor de 300 reais, pode ser uma “alternativa” ao impasse gerado pela obstrução da Casa, reforçada pela base do governo.

Aliados do governo vêm adotando a obstrução dos trabalhos de forma, entre outros pontos, a impedir a análise da MP 1.000, que prorroga o pagamento do auxílio, para evitar o constrangimento e a pressão para elevar o valor de 300 reais em período eleitoral. Já a oposição vem se recusando a votar as demais propostas enquanto essa MP não for a voto.

Maia lembrou que o governo precisará de um ambiente mais calmo e de ao menos 308 votos para aprovar matérias de seu interesse, caso da chamada Proposta de Emenda à Constituição (PEC) emergencial, que trará gatilhos para o teto de gastos, medidas do pacto federativo e ainda tratará da criação do Renda Cidadã, programa de distribuição a substituir o Bolsa Família.

O presidente da Câmara considerou ainda “inevitável” uma convocação do Congresso durante o recesso parlamentar para votar essa PEC e garantir ainda a votação do Orçamento antes de março.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247