Maia dispara contra Bolsonaro: “fica falando de AI-5, de queimada, aí o investidor não coloca dinheiro no Brasil”

Em café da manhã com jornalista, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que as declarações de Jair Bolsonaro atrapalham atrair investidores financeiros. "É ruim para o governo, né?", disse. "Para mim culpa dessas declarações"

www.brasil247.com - Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro
Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)


247 - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou a jornalistas em café da manhã nesta quinta-feira 19 que as declarações de Jair Bolsonaro atrapalham para atrair investidores estrangeiros.

“É ruim para o governo, né? Fica falando de AI-5, fica falando de queimada, aí o investidor não coloca dinheiro no Brasil. Aí a economia ia crescer 2,5% este ano e vai crescer 1%, para mim culpa dessas declarações”, disparou.

“E se continuar com essas declarações, ano que vem que pode crescer 2,5% e também vai crescer menos. É uma questão de bom senso”, completou ainda, de acordo com reportagem da Folha.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia mais sobre declarações de Maia com jornalista nesta quinta na reportagem da Reuters:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Maia diz que jogo de empurra gera insegurança, diante de ameaça de veto de Bolsonaro a fundo eleitoral

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira, questionado sobre tendência de veto presidencial ao fundo eleitoral, que “jogo” de empurrar desgaste para o outro Poder gera insegurança para a sociedade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo ele, a Câmara teria um “arsenal” de medidas que contariam com apoio popular e teriam custo político ao Planalto para vetá-los, caso de uma política de reajuste real para o salário mínimo ou para o preço do óleo diesel. Ambas teriam impacto nas contas públicas e teriam de ser vetadas.

“Aí daqui a pouco o Legislativo vai começar a fazer a mesma coisa? Vai começar a mandar aumento do salário mínimo, redução do preço do óleo diesel para ele vetar? Se a equação é quem faz, em tese, mais aceno popular, a Câmara tem um arsenal”, disse o presidente da Câmara, em café da manhã com jornalistas.

“Só que não foi o que nós fizemos nos últimos anos e não é o que queremos”, ponderou, ao se posicionar a favor de uma atuação responsável do Parlamento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sobre o salário mínimo, aliás, defendeu que a discussão ocorra atrelada a uma previsão de fontes de recursos para eventual política de reajuste.

“Se começar esse jogo de um querer vetar para deixar o degaste para o outro, nós vamos ter, vamos começar a gerar uma insegurança para a sociedade muito grande”, avaliou.

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro disse que “se houver brecha” vai vetar o fundo eleitoral de 2 bilhões de reais aprovado pelo Congresso. [nL1N28T0F0]

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Provocado, Maia responeu que essa é uma prerrogativa do presidente da República, mas lembrou que a proposta do fundo foi aprovada como partiu do Executivo.

“Foi ele quem mandou a proposta, ele veta.”

No decorrer da discussão do Orçamento para 2020, o Congresso tentou elevar o valor do fundo, mas acabou aprovando o valor de R$ 2 bilhões previsto na proposta encaminhada pelo Executivo. Ao ser lembrado que o valor foi definido pelo próprio governo, Bolsonaro diz que é obrigado pela lei a prover o fundo.

O presidente da Câmara aproveitou para garantir que temas como a autonomia do Banco Central, parcerias público-privadas, e recuperação judicial, além da ampliação do Bolsa Família e licenciamento ambiental devem ser prioridades do Parlamento em 2020.

“Está maduro, está pronto para votar a autonomia do Banco Central”, disse a jornalistas.

CMPF E REFORMAS

A criação de uma nova tributação sobre movimentações financeiras, no entanto, não tem chance de avançar no Congresso, de acordo com o deputado.

“Você pode dar o nome que você quiser”, disse o presidente, sobre eventual imposto sobre movimentação financeira. “O Parlamento não vai criar CPMF”, afirmou, lembrando que caberia ao Legislativo criar nova tributação e que não há espaço para a discussão entre parlamentares.

Ao comentar que algo nos moldes da CPMF seria “regressivo” e atrapalharia a recuperação econômica, Maia disse já ter transmitido à equipe econômica a falta de clima no Congresso para o tema.

“Já falei com eles que não passa.”

Segundo o presidente da Câmara, as reformas administrativa e tributária também devem avançar no próximo ano, assim como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabelece gatilhos para a contenção de despesas públicas já em discussão na Câmara.

Outra PEC que deve ganhar prioridade no primeiro semestre de 2020, afirmou Maia, é a que disciplina o uso de fundos infraconstitucionais para o pagamento da dívida pública. O presidente da Câmara, pondera, no entanto, que é necessário avaliar que texto será encaminhado pelo Senado aos deputados.

Sobre a PEC que permite a prisão após condenação em segunda instância, tema que ocupou o centro de uma disputa por protagonismo com o Senado, Maia garantiu que caminhará naturalmente.

Já a chamada PEC paralela, alterantiva encontrada por senadores para alterar a reforma da Previdência sem promover mudanças no texto principal da proposta, o que atrasaria sua tramitação, Maia defendeu que seja reduzida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email