Maia diz que aprovação da Previdência depende de engajamento de prefeitos e governadores

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), admitiu nesta terça-feira (13) que a aprovação da reforma da Previdência é difícil; para ele, só será possível reunir os votos necessários para passá-la desde que haja engajamento de prefeitos e governadores, que precisam da mudança nas regras devido às suas crises fiscais

25/10/2017- Brasília- DF, Brasil- Rodrigo Maia e deputados governista esperando o quórum durante sessão que discuti denúcia de temer e ministros. Foto: Lula Marques/AGPT
25/10/2017- Brasília- DF, Brasil- Rodrigo Maia e deputados governista esperando o quórum durante sessão que discuti denúcia de temer e ministros. Foto: Lula Marques/AGPT (Foto: Charles Nisz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), admitiu nesta terça-feira que a aprovação da reforma da Previdência é difícil, mas disse que ainda acredita ser possível reunir os votos necessários para passá-la desde que haja engajamento de prefeitos e governadores que precisam da mudança nas regras devido às suas crises fiscais.

Para Maia, só com a mudança nas regras previdenciárias cidades e Estados voltarão a ter fôlego para investir, gerar empregos e crescer nos próximos anos.

“As mudanças vão ajudar municípios e Estados que estão quebrados a voltar a investir. É importante que eles agreguem votos e a gente precisa que eles ajudem”, disse ele a jornalistas no Sambódromo da Marquês de Sapucaí, no Rio de Janeiro.

O presidente da Câmara não comentou sobre quantos votos o governo contabiliza para pautar a reforma na Câmara, mas destacou que ela só será levada a votação se houver a certeza de apoio suficientes.

Ele reiterou que o prazo para votar o projeto na Casa é o fim deste mês, e que não há possibilidade de esse limite ser estendido. Na semana passada, ele afirmou que se o texto não for votado agora em fevereiro, deve ficar para o ano que vem, ponderando que uma eventual votação em novembro dependeria do presidente da República eleito.

Maia ainda afirmou que no mês que vem o DEM escolherá seu pré-candidato à Presidência e, descartou a possibilidade de o apresentador de TV Luciano Huck ser esse nome.

“Neste momento ele não faz parte mais do nosso projeto do partido”, disse.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247