Maria do Rosário detona fala de Guedes na CCJ sobre PEC 32: ‘Estado mínimo para pobre, máximo para os ricos’

Deputada do PT argumentou que a proposta apresentada por Bolsonaro é inconstitucional. Antes mesmo de que todos os 38 parlamentares pudessem perguntar, o ministro foi embora. "De que tem medo, Paulo Guedes?", indagou Maria do Rosário

Maria do Rosário
Maria do Rosário (Foto: Agência Câmara)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Na manhã desta terça-feira (11), o Ministro da Economia de Jair Bolsonaro, Paulo Guedes, compareceu à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara do Deputados para debater a Proposta de Emenda Constitucional 32, da Reforma Administrativa, apresentada pelo Governo Bolsonaro.

Primeira deputada do PT a falar, Maria do Rosário afirmou a inconstitucionalidade da PEC, uma vez que fere cláusulas pétreas da Constituição Federal e atinge em profundidade os serviços públicos no Brasil que são essenciais à população brasileira. “Não se pode separar serviço público de desenvolvimento em um país com tanta desigualdade social em nome do mercado”, criticou a deputada, que coordena a bancada do PT na CCJ.

Segundo a deputada, a PEC tem a intenção de obter poderes que a Constituição Federal não confere aos governos. Para a parlamentar, Guedes não apresentou a proposta como ela é de fato, um evidente desmonte atual do serviço público e a entrega de fatias do estado para os interesses do mercado.  “Querem superpoderes para destruir órgãos públicos, privatizar, fazer o que não lhes é permitido pela Constituição Federal, é uma análise neoliberal, para um país que precisa de serviços, empregos, salários, e que tem milhares de servidores na linha de frente da Covid, na educação, e que recebem, não raro, cerca de 2 mil reais por mês”, argumentou.

Autora de um dos requerimentos que levou o ministro à Câmara junto com o Deputado Rui Falcão (PT-SP), Maria do Rosário corrigiu Paulo Guedes quando o ministro comparou o peso do serviço público de países como a Noruega, Suécia e outros, em que os percentuais são muito mais elevados, chegando a um terço do total de trabalhadores, enquanto no Brasil é de 12%.

“Que bom os trabalhadores daqueles países poderem andar de metrô, mas infelizmente os nossos servidores, nossas professoras, não têm muitas vezes dinheiro para pegar um ônibus, para pagar a luz e comprar o gás, porque ganham muito pouco, diferente daqueles países em que os salários lhes dão condições dignas de vida”, comparou.

A deputada gaúcha destacou ainda que com o uso de estratégia discursiva baseada em falácias se tenta vender um projeto alinhado ao conceito de necropolítica, que deixou de investir no SUS, e que atinge cláusulas pétreas da Constituição que só poderiam ser alteradas por constituintes originários. Finalizou ressaltando que a bancada votará contra a admissibilidade desta matéria, e que os serviços públicos do Brasil resistem “apesar de você”, aludindo à música de Chico Buarque. “O Brasil não pode ser o estado mínimo para os pobres e o estado máximo para o mercado”, finalizou.

Antes de que todos os 38 parlamentares presentes na Comissão pudessem fazer suas perguntas, o ministro foi embora. "Escutou apenas 10, e não respondeu nada. De que tem medo, Paulo Guedes?", perguntou Maria do Rosário pelo Twitter, afirmando que o ministro "fugiu da CCJ".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email