Mensalão: Época inclui Pimentel, segurança de Lula e até Paulo Betti no escândalo

Relatrio da PF sobre o caso e cita integrantes do primeiro escalo do governo Dilma - alm do ator petista que dizia que no se faz poltica sem colocar "as mos na merda"



247 – A revista Época desta semana traz, neste sábado, uma reportagem de capa dedicada ao escândalo do Mensalão, cujo processo caminha a passos lentos no Supremo Tribunal Federal. O objeto da reportagem, assinada pelo jornalista Diego Escosteguy, traz o relatório final da Polícia Federal sobre o caso e cita novos nomes, como beneficiários do esquema comandado pelo ex-publicitário Marcos Valério de Souza, das agências DNA e SMP&B. Eles seriam:

• Fernando Pimentel – O ministro do Desenvolvimento e um dos melhores amigos da presidente Dilma Rousseff recebeu R$ 247 mil em 12 de agosto de 2004.

• Freud Godoy – O segurança particular do presidente Lula recebeu R$ 98 mil em janeiro de 2003 e disse à PF que os recursos foram usados na campanha de 2002.

• Emídio de Souza – O prefeito de Osasco, eleito pelo PT, recebeu R$ 77 mil em 2004.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

• Benedita da Silva – A deputada petista também sacou R$ 100 mil, em 2003, para pagar despesas da disputa ao governo do Rio de Janeiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

• Romero Jucá – O irmão do senador peemedebista, eleito pelo Amapá, sacou R$ 650 mil em 2003.

• Vicentinho – Até o mesmo o sindicalista do ABC, eleito deputado federal pelo PT, recebeu R$ 17 mil. À revista, ele disse “não se lembrar de nada”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Um dos nomes mais surpreendentes na lista é o do ator Paulo Betti, historicamente ligado ao PT. Ele também recebeu R$ 255 mil de Marcos Valério e disse à revista que o dinheiro se refere ao patrocínio do grupo Casa da Gávea. Na época do Mensalão, ele declarou que não era possível fazer política sem colocar “as mãos na merda”. O que não se sabia é que também não era possível fazer teatro sem sujar as mãos.

Outros nomes citados pela reportagem são os do jornalista Gilberto Mansur, do ex-ministro tucano Pimenta da Veiga, do deputado petista José Mentor, de Lourival Dantas, ex-presidente do Codefat, do empresário Domingos Guimarães, genro do ex-senador Marco Maciel, da deputada Jacqueline Roriz, do ex-senador Mario Calixto, do deputado João Magalhães, do também deputado Lincoln Portela e do lobista Luiz Lanzetta.

Diego Escosteguy destacou-se na revista Veja, onde revelou o escândalo Erenice Guerra. Mas também produziu reportagens polêmicas, como uma das últimas da série “O polvo no poder”, em que funcionários da Casa Civil – então chefiada por Dilma Rousseff – receberiam pacotes de R$ 200 mil em pleno Palácio do Planalto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email