Mesmo se for cassado, Temer tem plano para ficar 120 dias no cargo

Estratégia jurídica do peemedebista, que começou  com a nomeação do jurista Torquato Jardim para o ministério da Justiça, a fim de tentar obter um cenário mais favorável no TSE, é de permanecer no cargo ainda por quatro meses caso haja cassação da chapa vencedora da eleição de 2014 e, consequentemente, de seu mandato; desta forma, ele ganharia tempo com recursos e contaria com uma demora na decisão de chamar eleições indiretas

Estratégia jurídica do peemedebista, que começou  com a nomeação do jurista Torquato Jardim para o ministério da Justiça, a fim de tentar obter um cenário mais favorável no TSE, é de permanecer no cargo ainda por quatro meses caso haja cassação da chapa vencedora da eleição de 2014 e, consequentemente, de seu mandato; desta forma, ele ganharia tempo com recursos e contaria com uma demora na decisão de chamar eleições indiretas
Estratégia jurídica do peemedebista, que começou  com a nomeação do jurista Torquato Jardim para o ministério da Justiça, a fim de tentar obter um cenário mais favorável no TSE, é de permanecer no cargo ainda por quatro meses caso haja cassação da chapa vencedora da eleição de 2014 e, consequentemente, de seu mandato; desta forma, ele ganharia tempo com recursos e contaria com uma demora na decisão de chamar eleições indiretas (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Michel Temer elabora uma estratégia jurídica para permanecer no cargo ainda por quatro meses caso haja cassação da chapa vencedora da eleição de 2014 e, consequentemente, de seu mandato, informa reportagem do Globo.

A ideia é ganhar tempo com recursos e contar com uma demora na decisão de chamar eleições indiretas. Segundo o jornal, a estratégia já teve início com a nomeação do jurista Torquato Jardim para o ministério da Justiça, a fim de tentar obter um cenário mais favorável no TSE.4

"Essa situação pode levar uns 120 dias. E o Temer disse que é sim um democrata e que vai afirmar democraticamente os direitos de presidente", disse ao Globo um aliado que esteve no Palácio do Jaburu, em reunião com ministros e caciques do PMDB.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247