Bolsonaro abandona combate à “velha política” e deve dar ministério a Roberto Jefferson, símbolo da corrupção

A ideia da reforma é distribuir cargos no governo para diversos partidos do “centrão” e aumentar o apoio político ao governo federal

Jair Bolsonaro, Roberto Jefferson e Rodrigo Maia
Jair Bolsonaro, Roberto Jefferson e Rodrigo Maia (Foto: Reuters | Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Militares do governo de Jair Bolsonaro estão impondo uma reforma ministerial para melhorar o relacionamento do presidente com o Congresso, que está se agravando com o aprofundamento da crise do coronavírus. 

Segundo coluna de Tales Farias no UOL, o Planalto quer participar da sucessão de Rodrigo Maia (DEM) como presidente da Câmara de Deputados. A relação entre Bolsonaro e Maia está insustentável.

A ideia da reforma, de acordo com a coluna, é distribuir cargos no governo para diversos partidos do “centrão” e aumentar o apoio político ao governo federal. O projeto está sendo chefiado pelo “presidente operacional”, o ministro-chefe da Casa Civil, general Braga Netto.

PUBLICIDADE

Nesta quarta-feira, 22, Bolsonaro se reúne com o presidente do MDB, deputado Baleia Rossi (SP) e na quinta-feira, 23, deverá se reunir com o presidente do DEM e prefeito de Salvador, ACM Neto.

O governo pode recriar o Ministério do Trabalho, extinto pelo golpe contra Dilma Rousseff, e oferecê-lo ao seu novo aliado Roberto Jefferson, dirigente do PTB, que nos últimos dias têm defendido a política de Bolsonaro contra o isolamento social, afirmando que o presidente é “homem de verdade” por estar saindo às ruas, contras as recomendações das autoridades sanitárias.

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email