Ministro do PMDB diz que impeachment é político e defende Dilma

Ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, diz que o afastamento político, sem a existência de um crime, é ruim para o país; "Minha história política é de coerência. Estou fiel ao compromisso que assumi com o país quanto cheguei ao ministério. Minha questão é muito maior que a questão partidária", afirmou; Braga disse que o PMDB no Senado ainda não fechou questão sobre o impeachment

Ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, diz que o afastamento político, sem a existência de um crime, é ruim para o país; "Minha história política é de coerência. Estou fiel ao compromisso que assumi com o país quanto cheguei ao ministério. Minha questão é muito maior que a questão partidária", afirmou; Braga disse que o PMDB no Senado ainda não fechou questão sobre o impeachment
Ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, diz que o afastamento político, sem a existência de um crime, é ruim para o país; "Minha história política é de coerência. Estou fiel ao compromisso que assumi com o país quanto cheguei ao ministério. Minha questão é muito maior que a questão partidária", afirmou; Braga disse que o PMDB no Senado ainda não fechou questão sobre o impeachment (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, que foi indicado para o cargo pela bancada do PMDB, se posicionou de forma contrária ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff que será votado em plenário pela Câmara dos Deputados neste domingo (17). Segundo ele, o afastamento político, sem a existência de um crime, é ruim para o país.

"Minha história política é de coerência. Estou fiel ao compromisso que assumi com o país quanto cheguei ao ministério, em um momento crítico para o setor elétrico. Minha questão é muito maior que a questão partidária", disse Braga. Ele observou ainda que "o sistema político brasileiro está em xeque" e que o PMDB no Senado ainda não fechou questão sobre o impeachment.

Nesta linha, ele afirmou que a sua suplente no Senado pelo Amazonas, sua esposa Sandra Braga, votará contra o afastamento da presidente, caso o processo passe pela Câmara dos Deputados.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email