Moro e Guedes perderam superpoderes

Sergio Moro e Paulo Guedes, que assumiram seus cargos no governo Bolsonaro com status de superministros, hoje não passam de ministros comuns. O jornalista João Domingos conta os motivos das derrocadas

superministros de jair bolsonaro
superministros de jair bolsonaro
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em matéria publicada neste sábado (21) no Estado de S.Paulo, o jornalista João Domingos conta como Sergio Moro, da Justiça, e Paulo Guedes, da Economia, anteriormente alçados à categoria de superministros de Jair Bolsonaro, perderam seus "superpoderes" e agora não passam de ministros comuns.

Sobre o ex-juiz Sergio Moro, ele escreve: "acontece que um relatório do Coaf, feito em conjunto com o Ministério Público, alcançou o ex-policial Fabrício Queiroz, que fora assessor do então deputado Flávio Bolsonaro, filho do presidente. Logo vazou a notícia de que a investigação chegara a Flávio, agora senador. Ao mesmo tempo, o Congresso tirava o Coaf de Moro, sem que Bolsonaro fizesse nenhum esforço para reverter a situação. Depois, o presidente tornou público seu descontentamento com a superintendência da PF do Rio e ameaçou demitir o diretor da corporação, Maurício Valeixo, escolhido por Moro".

Em relação a Guedes, "o problema ocorreu primeiro com Joaquim Levy, escolhido para o BNDES. Bolsonaro ordenou sua demissão. Depois, com o economista Marcos Cintra, chefe da Receita, encarregado de comandar a proposta de reforma tributária. Bolsonaro não gostou da forma como insistiu em criar um imposto parecido com a CPMF. Mandou que fosse demitido", explica.

"Se não têm autonomia para comandar seus ministérios, escolher seus auxiliares, os dois ministros não podem mais ser chamados de super", constata Domingos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247