Mourão esclarece: Bolsonaro não é Átila, o Huno

O presidente Jair Bolsonaro vai mostrar, no Fórum Econômico Mundial, de Davos, na Suíça, onde ficará até quinta-feira (24), que não é "Átila, o Huno". A afirmação é do presidente da República em exercício, general Hamilton Mourão, em alusão a Átila, o conquistador da Europa do século 5, conhecido por ser um bárbaro e cruel; seus apelidos eram "praga de deus" e "flagelo de deus"

Mourão esclarece: Bolsonaro não é Átila, o Huno
Mourão esclarece: Bolsonaro não é Átila, o Huno (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil – O presidente Jair Bolsonaro vai mostrar, no Fórum Econômico Mundial, de Davos, na Suíça, onde ficará até quinta-feira (24), que não é "Átila, o Huno". A afirmação é do presidente da República em exercício, general Hamilton Mourão, em alusão a Átila, o conquistador da Europa do século 5, conhecido por ser um bárbaro e cruel.

"O discurso do presidente vai ser em cima das reformas da área econômica, reforma da Previdência. E também mostrar que ele não é o Átila, o Huno. É mais um brasileiro que nem nós."

Ao chegar hoje (21) a Davos, Bolsonaro resumiu o que pretende fazer durante sua participação no fórum: atrair investimentos, especialmente na área do agronegócio, sem viés ideológico.

Mourão disse que conversou rapidamente com Bolsonaro por mensagem de celular, pois ele viajou ontem (20) à noite para Suíça. "Ele mandou 'zap', dizendo que chegou bem". Segundo ele, a recomendação de Bolsonaro durante este período em que o substitui foi simples. "Prudência e caldo de galinha", relatou.

O presidente em exercício negou qualquer desgaste no governo em decorrência das investigações em torno das movimentações atípicas de Fabrício Queiroz, ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente.

"Esse problema é do senador [eleito] Flávio Bolsonaro. O governo não [fica preocupado], pode preocupar o presidente como pai em relação ao filho. Todos nós nos preocupamos com nossos filhos."

 

 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247