"No Brasil, se protesta para conquistar mais"

Em palestra, ex-presidente Lula diz que "na Europa, as pessoas protestam para não perder o que conquistaram. No Brasil, as pessoas protestam para conquistar mais"; ele criticou a chanceler alemã Angela Merkel e repetiu o que disse em artigo distribuído pelo New York Times: "Não neguem a política"; Lula também comentou os boatos de que está com metástase: "Se eu tivesse, eu jamais esconderia. Graças a Deus não tenho mais câncer"

"No Brasil, se protesta para conquistar mais"
"No Brasil, se protesta para conquistar mais" (Foto: Gabriela Biló/Futura Press/Folh)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - "Na Europa, as pessoas protestam para não perder o que conquistaram. No Brasil, as pessoas protestam para conquistar mais", comparou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante palestra “Brasil no Mundo: mudanças e transformações”, no encerramento da Conferência Nacional "2003 – 2013: uma nova política externa", evento realizado no Campus São Bernardo do Campo da Universidade Federal do ABC (UFABC) pelo Grupo de Reflexão sobre Relações Internacionais (GR-RI).

Repetindo o que disse no artigo distribuído pelo jornal New York Times nesta semana, o ex-presidente disse que "a pior coisa no mundo é a gente aceitar a negação da política". "Estou dizendo isso porque não é de hoje que a gente vê em vários países do mundo as pessoas colocarem a política no ralo da podridão", completou, pedindo aos jovens da plateia: "Não neguem a política".

Lula comentou os boatos de que está com metástase. "Deixa eu falar uma coisa: se eu tivesse, eu jamais esconderia. Graças a Deus não tenho mais câncer. Tenho de fazer meus exames rotineiros a cada quatro meses durante cinco anos. Não é correto que algum canalha ou imbecil fique pela internet botando essas análises, essas mentiras", disse. Ele também desmentiu que seu filho Fábio tenha virado dono da Friboi. "Falei com o Joesley: ou você desmente ou vou abrir processo para assumir a Friboi".

Imprensa

PUBLICIDADE

Na primeira aparição em evento público de Lula após a onda de protestos de junho, cerca de 30 jornalistas foram mantidos do lado de fora do auditório, mesmo depois de credenciados. De acordo com a assessoria do ex-presidente, a orientação aos jornalistas partiu da organização da conferência. Mas a assessoria da UFABC diz que a orientação de impedir a entrada de jornalistas partiu da equipe de Lula.

Na palestra, Lula destacou a política externa de seu governo, dizendo inclusive que vem dando sequência a ela nas viagens que faz pelo mundo. "Ficar fora do Brasil é um jeito de eu não encher o saco da Dilma, ficar dando palpite", brincou. "A verdade é que nós não éramos levados a sério. Mas porque nós não nos respeitávamos. Uma parte dirigente deste país tinha complexo de vira-lata", comentou o ex-presidente.

Ao ser questionado sobre o ex-prestador de serviço da NSA Edward Snowden, Lula disse que "esse rapaz está prestando um serviço à humanidade fazendo as denúncias que ele fez". "Não é aceitável, acho que os países do mundo inteiro têm de exigir dos EUA uma explicação", disse Lula, brincando: "Espero que ele não tenha ouvido minhas conversas".

PUBLICIDADE

Política

"Diferentemente do que algumas pessoas falam, 'o Lula teve muita sorte, a maré estava favorável'... (o documento que trago) demonstra claramente que, antes de ser eleito, a gente já tinha uma vocação para fazer o que fizemos do ponto de vista da relação com a América Latina, com a África", disse o ex-presidente, fazendo referência a documentos que comprovariam essa intenção e dizendo que não permitiria a instalação da Alca (Área de livre comércio das Américas) no continente.

Segundo Lula, "não seria possivel fazer a policia externa que fizemos se a gente não tivesse uma definição, uma prioridade". E se eu não tivesse a sorte de encontrar o Celso Amorim para ser o meu ministro das Relações Exteriores", disse Lula, comentando que identificou no seu chanceler (hoje ministro da Defesa) uma pessoa humilde como ele. Para exemplificar o tom de sua política externa, Lula contou como foi sua primeira reunião com o então presidente do Estados Unidos, George W. Bush.

PUBLICIDADE

"Em dezembro de 2002, fui convidado para ir ao EUA, conversar com o 'Tio Sam'. Quando cheguei, Bush estava 'mui nervoso', por causa dos atentados à torres. Ele tinha de encontrar alguém para pagar", lembrou o ex-presidente. "Era preciso pegar o culpado, e ele estava muito nervoso e queria invadir o Iraque. Ele falava de forma compulsiva, eu no Salão Oval. Já foi no Salão Oval? Eu conheço gente que já foi, e não foi legal", brincou.

"Eu estava ali, pensando, e o Bush estava falando e falando de terrorismo, e pra mim era tudo novidade. Eu tinha poucos dias de eleito presidente, e o presidente mais importante que eu já tinha visto na vida era o da Volkswagen", ironizou Lula, contando que Bush pediu seu apoio para a empreitada contra o Iraque. "O senhor faça a sua guerra, que eu faço o minha", respondeu Lula, acrescentando que a denúncia sobre armas químicas no Iraque foi a maior mentira deste século.

Fome

PUBLICIDADE

Lula também contou sobre os esforços de seu governo para estabilizar a Venezuela e destacou a atenção de sua gestão com a fome. "Nossa polírica externa teve três coisas básicas. Umas delas, de que me orgulho muito, é que conseguimos colocar para o mundo a questão do combate à fome. Nunca a fome foi tão debatida como a partir do momento que começamos a introduzir, primeiro em Davos, depois numa reunião com o Chirac, em Genebra, e depois em todas as reuniões de que participei", disse.

"É preciso colocar o pobre no orçamento, para ficar gordinho, como eu", disse Lula, lembrando sua experiência de vida, de ter nascido e crescido numa região pobre, para destacar o "pilar mais importante" de seu começo de mandato. O segundo mais importante, segundo ele, foi a diversificação das relações. "Me incomodava a subserviência do Brasil", disse, comentando que ninguém quer romper com os Estados Unidos, mas que era importante olhar para a América do Sul.

De acordo com o ex-presidente, seu governo puxou o "período mais progressista, socialista e de esquerda da América do Sul". Lula lembrou suas relações com presidentes como o boliviano Evo Morales. "Diziam que eu era frouxo por não querer brigar com ele. Mas eu quis brigar com o Bush e ele não quis brigar comigo. Por que eu brigaria com o Evo?, questionou.

Locomotiva

Ao comentar sobre as limitações do poder, Lula apelou para uma de suas metáforas. "O presidente é como se fosse uma locomotiva. A estação é a máquina pública. O tempo passa e a máquina está lá, impávida, e a locomotiva vai trocando. A gente passa e a coisa não vai como a gente queria. Faz acordo com um país e, 10 anos depois, ele não é aprovado nem pelo nosso Congresso, nem pelo deles", lamentou, completando: "Sei que a presidente Dilma tem tanta ou mais vontade do que eu".

Ao destacar a importância das relações com a África, Lula creditou aos países africanos e da América Latina o fato de o Brasil ter emplacado José Graziano no comando da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), o embaixador Roberto Azevêdo como diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC) e Paulo Vannuchi na Comissão de Direitos Humanos da OEA.

Apesar do aumento de expressão brasileiro, Lula admitiu que se avançou pouco nos últimos anos na melhoria da governança global. "A impressão que eu tenho é que a (chanceler alemã) Angela Merkel está com tanto poder agora que conseguiu fazer com a Europa o que duas guerras não fizeram", criticou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email