O verdadeiro poder

Com o Senado, a Câmara, a vice-presidência da República, cinco ministérios e cinco governadores, de que mais o PMDB precisa?

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Se melhorar, estraga. Esse é o ditado que reflete o momento atual do PMDB, partido que foi símbolo da luta pela redemocratização, elegeu quase todos os governadores na esteira do Plano Cruzado, mas que parecia fadado ao desaparecimento no fim melancólico do governo Sarney. Reflexo disso foram as candidaturas pífias de Ulysses Guimarães, que não chegou a 3% dos votos em 1989, e de Orestes Quércia, que, em 1994, terminou a disputa apenas em quarto lugar.

Desde então, o PMDB nunca mais se arriscou. Preferiu consolidar seu poder nos estados, sem se preocupar com a coerência programática ou ideológica entre seus vários coronéis regionais. No plano federal, serviu de esteio a todos os governos. Apoiou FHC em 1998 e errou na aposta em José Serra, em 2002, mas isso nunca foi, propriamente, um problema. Tão logo Lula foi empossado, o PMDB migrou para a base governista, passando a ocupar um papel central na aliança em 2010, quando emplacou Michel Temer na vice.

Hoje, com as vitórias de Renan Calheiros (PMDB/AL) e Henrique Eduardo Alves (PMDB/RN) o maior partido do País tem ainda o comando do Senado Federal, da Câmara dos Deputados, cinco ministérios, cinco governos estaduais, incluindo o Rio de Janeiro, como vitrine, além de 1.020 prefeituras. Com tanto poder, tantas verbas e tantos orçamentos para administrar, o PMDB certamente não precisará se preocupar em 2014 com pequenas miudezas, como o Palácio do Planalto. Para quê, se o partido já tem tudo?

No entanto, é um erro imaginar que agora, fortalecido, o PMDB poderá se contentar com seu naco de poder, abrindo mão da vice e cedendo espaço para o PSB, de Eduardo Campos, na chapa de Dilma Rousseff. Os fortes, em geral, não cedem. Impõem suas vontades. E o PT talvez tenha turbinado demais um aliado de quem poderá vir a ser refém.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247