Oposição pode "firmar o pé". Quem afirma é FHC

Em novo artigo, ex-presidente reivindica participao no processo de modernizao da sociedade brasileira, mas reconhece que o processo comeou com as greves metalrgicas comandadas por Lula; FHC diz que h espao para as oposies no "novo Brasil"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Depois de uma semana em que os dois principais partidos da oposição, PSDB e DEM, perderam cargos importantes para o neogovernista PSD, do prefeito paulista Gilberto Kassab, e discutiram até a possibilidade de fusão, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso reapareceu. Num artigo que será publicado neste domingo nos jornais “O Estado de S. Paulo” e “O Globo”, ele afirma com todas as letras: “Há espaço para as oposições firmarem o pé neste novo Brasil”. O artigo é uma tentativa clara de responder a uma suposta má interpretação causada por outro texto de FHC, publicado na revista Interesse Nacional. Nele, o tucano afirmou que os oposicionistas deveriam esquecer o chamado “povão”, porque este segmento do eleitorado já teria sido cooptado pelo PT.

No novo texto, FHC não fala em “nova classe média”, expressão já excessivamente batida. Mas, como sociólogo, aponta a emergência de setores médios e populares da população brasileira que estariam escapando ao clientelismo estatal. E que seriam favoráveis ao “espírito de empresa” e a valores como a competição, a transparência e o respeito aos contratos. Essencialmente, um naco da sociedade adepto de valores republicanos e que tem ojeriza à corrupção e à hegemonia petista.

Debandada

Enquanto isso, continua a sangria nas hostes oposicionistas. Neste sábado, Gilberto Kassab fez a fundação do PSD em Natal, capital do Rio Grande do Norte, que é a base do presidente do DEM, Agripino Maia. Espera-se para os próximos dias a migração do governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, do DEM para o PSD. Sem Colombo, o DEM perderia seu último governo estadual.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email