Pedido de buscas contra Sérgio Reis e Otoni de Paula partiu de Aras

Alvo de notícia-crime por prevaricação, o PGR é apontado como protetor de Bolsonaro e de bolsonaristas. Pedido é visto como uma estratégia de Aras para viabilizar sua recondução à Procuradoria-Geral da República (PGR)

www.brasil247.com -
(Foto: Marcos Corrêa/PR | Reprodução/Instagram | Cleia Viana/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Os pedidos de busca e apreensão do cantor bolsonarista Sérgio Reis e do deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ) partiram do  procurador-geral da República, Augusto Aras. 

Alvo de uma notícia-crime protocolada pelos senadores Fabiano Contarato (Rede-ES) e Alessandro Vieira (Cidadania-SE) por prevaricação, Aras é acusado de omissão em relação aos ataques de Jair Bolsonaro ao sistema eleitoral brasileiro, além das recusas do PGR em atuar em relação ao dever de defender o regime democrático brasileiro. 

De acordo com o jornalista George Marques, da Mídia Ninja, o pedido de buscas é uma estratégia que mira a sua recondução à Procuradoria-Geral da República (PGR). “O que não faz uma ameaça de rejeitar a recondução do PGR, hein?”, questiona o jornalista.

PUBLICIDADE

Cronologia

Um dia após a notícia-crime, o Senado marcou a sabatina de Aras para sua possível recondução à PGR para a próxima terça-feira (24), o que teria “motivado” o procurador-geral a fazer o pedido de buscas contra Sérgio Reis e Otoni de Paula, agradando, portanto, o Senado.

PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e assista:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email