PF pede ao Supremo mais prazo para investigar Temer

A Polícia Federal pediu ao Supremo Tribunal Federal mais prazo para concluir o inquérito que apura se Michel Temer cometeu crime de obstrução à justiça, corrupção passiva e participação em organização criminosa; no dia 30 último, o relator da Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin, tinha dado 10 dias para o encerramento das investigações; se for concedido mais tempo aos policiais, ainda assim a Procuradoria Geral da República pode apresentar denúncia contra Temer na próxima semana, o que é esperado

Temer
Temer (Foto: Romulo Faro)

247 - A Polícia Federal pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) mais prazo para concluir o inquérito que apura se Michel Temer cometeu crime de obstrução à justiça, corrupção passiva e participação em organização criminosa. No dia 30 último, o relator da Lava Jato no STF, ministro Edson Fachin, tinha dado 10 dias para o encerramento das investigações.

Se for concedido mais tempo aos policiais, ainda assim a Procuradoria Geral da República (PGR) pode apresentar denúncia contra Temer na próxima semana, o que é esperado. O prazo extra poderá ser usado para a PF concluir a perícia no áudio da conversa que o dono da JBS, Joesley Batista, gravou com o peemedebista, de acordo com publicação do jornal O Globo.

Em 22 de maio, a polícia informou o STF que precisava de até 30 dias para concluir a análise. A perícia ainda não foi concluída. No caso dos áudios do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), que é investigado no mesmo inquérito, o prazo inicial era de até 60 dias.

Fachin deu prazo curto para o encerramento do inquérito porque uma das investigadas está presa. "De fato, com a decretação da prisão preventiva, no contexto dessa investigação, de Roberta Funaro Yoshimoto, tem-se como certo o prazo para conclusão das investigações, como previsto na primeira parte do art. 10 do Código de Processo Penal, a saber, 10 (dez) dias", escreveu o ministro no mês passado, referindo-se à irmã do operador Lúcio Funaro.

No mesmo dia, Fachin também determinou que a PF colhesse por escrito o depoimento de Temer. Os investigadores enviaram 82 perguntas à defesa do presidente. Os advogados pediram prazo até sexta-feira para responder. Na última hora, enviaram documento ao STF informando que o presidente não responderia às questões. Consideraram que Temer era "objeto de uma inquirição invasiva, arrogante, desprovida de respeito e do mínimo de civilidade".

O depoimento de Rocha Loures também não representou avanço nas investigações, porque o ex-deputado ficou calado diante das perguntas formuladas pela PF.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247