Pimenta vai à PGR para apurar e-mails de FHC a Marcelo Odebrecht

Líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta protocolou nesta segunda-feira 11 junto à Procuradoria Geral da República uma representação em que faz questionamentos sobre os e-mails em que Fernando Henrique Cardoso pediu socorro financeiro a Marcelo Odebrecht durante as eleições de 2010; "Se a resposta for que nada foi feito, pediremos a investigação imediata", informa o parlamentar, lembrando de questionar se policiais federais e membros do Ministério Público, nesse caso, não teriam cometido prevaricação

pimenta fhc
pimenta fhc (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O líder do PT na Câmara dos Deputados, Paulo Pimenta (RS), protocolou nesta segunda-feira 11 junto à Procuradoria Geral da República (PGR) uma representação em que faz questionamentos sobre os e-mails em que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pediu socorro financeiro a Marcelo Odebrecht para financiar as campanhas de dois candidatos ao Senado pelo PSDB em 2010.

"Estou fazendo uma série de questionamentos, se foi instaurado inquérito, o que foi investigado, quem foi o relator, quem foi interrogado... Se a resposta for que nada foi feito, pediremos a investigação imediata", informa o parlamentar.

Pimenta pontuou ainda que questiona, se nesse caso, policiais federais e membros do Ministério Público não teriam cometido prevaricação - quando um servidor público se omite diante de fatos que indicam algum crime -, "na medida em que há três anos eles têm esses e-mails e essas informações".

Pimenta destacou que todos recebem "há muito tempo doações de empreiteiras", mas quando se trata do PT, elas são tratadas como criminosas. "Vamos pedir para chamar para depor Marcelo Odebrecht, FHC, Flexa Ribeiro e Antero Paes de Barros", afirmou, citando também os nomes dos candidatos ao Senado na época do e-mail.

Confira aqui a íntegra da representação. Abaixo, a coletiva de Paulo Pimenta sobre a ação na PGR:

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247