Fux faz manobra no STF e ações penais contra réus com foro migram das turmas para o plenário

Embora aprovada de forma unânime, a proposta do presidente do STF surpreendeu os ministros. Com a medida, o plenário volta a julgar todas as ações penais contra deputados federais, senadores, ministros de Estado e outras autoridades

Sessão solene de posse do ministro Luiz Fux na Presidência do STF (10/09/2020)
Sessão solene de posse do ministro Luiz Fux na Presidência do STF (10/09/2020) (Foto: Fellipe Sampaio /SCO/STF)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Conjur - As ações penais ajuizadas contra réus com prerrogativa de foro por função voltarão a ser processadas e julgadas pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal. Os ministros concordaram em retomar o texto do Regimento Interno como funcionava até 2014. A decisão unânime foi tomada em sessão administrativa nesta quarta-feira (7/10). 

A sugestão foi levada pelo presidente da Corte, ministro Luiz Fux, que disse ter havido diminuição significativa no número de inquéritos levados ao Supremo: em 2018, chegaram ao STF 500 inquéritos e 89 ações penais; até 5 de outubro deste ano, foram 166 inquéritos e 29 ações penais.  

Com a medida, o Plenário do STF volta a julgar todas as ações penais ajuizadas contra deputados federais, senadores, ministros de Estado, comandantes da Marinha, ministros dos tribunais superiores, o procurador-geral da República e o presidente da República. 

Embora aprovada de forma unânime, a proposta de Fux surpreendeu os ministros. Marco Aurélio, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes chamaram a atenção para o fato de que a reforma regimental não constava na pauta distribuída aos ministros antes da sessão. "Fica aqui o aviso, reformas regimentais devem ser primeiro avisadas aos ministros para serem discutidas", ressalvou Gilmar.

O Supremo transferiu parte de sua competência para as turmas em 2014, depois do julgamento da ação penal 470, conhecida como "mensalão". O decano do STF, ministro Celso de Mello, relembrou que a razão básica para a mudança para as turmas foi o número excessivo de processos. "Levamos quase seis meses com sessões virtualmente diárias, discutindo, julgando, e comprometendo o exercício pelo tribunal de seu poder jurisdicional."

Com a redução dos processos apontada por Fux, Celso considerou que o retorno ao Plenário "restabelece uma situação tradicional". O ministro também afirmou que agora "são as turmas que estão se inviabilizando" com processos que demandam mais sessões para julgamento. 

Segundo Celso, outra virtude da proposta é "evitar o dissídio jurisprudencial entre as turmas em matéria tão sensível como é a penal, que envolve a questão da liberdade individual". O ministro apontou que hoje há divergências interpretativas nas duas turmas.

Marco Aurélio, que defendeu no passado a transferência para as turmas, concordou com a retomada. "O tanto quanto possível devemos atuar no verdadeiro Supremo, o revelado pelo plenário. Por isso adiro à proposta de Vossa Excelência", afirmou.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247