CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Poder

PMDB-RJ despeja artilharia pesada contra Lindbergh

Assinada pelo presidente Jorge Picciani, manifestação diz que "não há hipótese de o candidato" à sucessão de Sergio Cabral, em 2014, não ser o atual vice-governador Luiz Fernando Pezão; faca no peito do PT: "Cabe ao PT que a desejável aliança se mantenha coesa", registra o texto

PMDB-RJ despeja artilharia pesada contra Lindbergh
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 – Em nota dura, assinada pelo presidente do PMDB do Rio de Janeiro, Jorge Picciani, a seção fluminense do partido procurou nesta segunda-feira 25 estabelecer, na prática, um veto à candidatura do senador Lindbergh Farias (PT-RJ) à sucessão do governador Sérgio Cabral, do próprio PMDB.

"Garantimos a governabilidade e somos fiéis aos nossos aliados. Mas cabe ao PT que a desejada aliança se mantenha coesa, forte e uníssona", diz o texto, que será lido na Convenção Nacional do partido, no sábado, em Brasília, pelo deputado federal Leonardo Picciani. A nota assegura que "não há hipótese de ele não ser  candidato", em referência ao atual vice-governador, Luiz Eduardo Pezão, que ocupa o cargo de substituto de Sérgio Cabral desde as eleições de 2006. Em razão da aliança nacional entre PT e PMDB, o partido da presidente Dilma tem como espaço na administração fluminense o cargo de vice-prefeito da capital, cujo titular é Eduardo Paes, do PMDB.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O senador Lindbergh Farias reagiu rapidamente ao movimento dos peemedebistas, que já era esperado. Não se sabia, porém, o grau de oposição que seria usado contra a candidatura do senador ao governo do Estado, ex-prefeito de Nova Iguaçu, e cujos planos de crescimento politico contam com o aval do ex-presidente Lula. O próprio Lula cedeu o marqueteiro João Santana para que o PT fluminense realizasse os filmes promocionais mais recentes da agremiação para a televisão, nos quais Lindberg foi a estrela mais destacada. O gesto passou a mensagem de que a candidatura do senador, ainda que não formalizada – de resto, como nenhuma outra – já está nas ruas.

"O diretório regional do PT deliberou, por unanimidade, a minha pré-candidatura", lembrou Lindberg. "Também é do meu entendimento liderar a coalizão de toda a base aliada. Mas, se o PMDB entender diferente, reconhecemos o direito e a autonomia de lançarem a candidatura (do Pezão). Essa convenção é do PMDB. Eles devem escolher o candidato do PMDB. Só não podem escolher o nosso candidato", definiu o senador.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Nesta sexta-feira, em Japeri, na Baixada Fluminense, Lindbergh começa sua "Caravana da Cidadania", com a qual pretende percorrer todos os principais municípios do Estado do Rio em campanha para o governo em 2014.

Para o PMDB, Lindbergh é um fantasma em carne e osso. Ele é considerado bom de voto, como comprovou em sua eleição para o Senado, enquanto o vice-governador Pezão vem de uma cidade pequena - Piraí -, em lugar de ter berço político numa cidade populosa, como Lindbergh conseguiu em Nova Iguaçu, onde se elegeu prefeito duas vezes. O senador é bem mais jovem que o vice-governador, domina a oratória como poucos e tem inclinação para um eficiente corpo a corpo com o eleitorado. Ex-presidente da UNE, Lindbergh associou-se diretamente a importantes vitórias do PMDB nas últimas eleições municipais.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O PMDB do Rio, com a nota, abre um movimento de pressão direta sobre a presidente Dilma Rousseff. Logo após a vitória de Eduardo Paes, em primeiro turno, nas eleições do ano passado, no munípio do Rio, ela recebeu Paes, Cabral e Pezão no Palácio do Planalto. Com eles, tirou uma foto com as mãos sobrepostas num gesto de união, o que passou a impressão de um aval à futura candidatura de Pezão – e não apenas de comemoração pela vitória de Paes.

"É fundamental para o Rio e muito importante para o Brasil a continuidade das políticas públicas implementadas pelo governador Sérgio Cabral ao longo do seu governo", registra a nota assinada por Jorge Picciani. "Pezão é a certeza de que a bem-sucedida política de Segurança implementada no estado irá continuar e avançar de forma perene, trazendo a paz e o ambiente necessários para que o Rio prossiga no caminho do desenvolvendo social e econômico sustentáveis, garantindo mais emprego, mais renda e qualidade de vida para o povo que aqui vive".

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Na direção de Dilma, o texto lembra dois números: "Em 2010, no primeiro turno, o povo do Rio deu 67% dos votos ao Governador Sergio Cabral. E no segundo turno, 70% dos votos à Presidenta Dilma. O PMDB do Rio não tem um projeto de poder, mas um projeto de estado", sublinha.

O senador fará o primeiro ato público nesta sexta-feira, em Japeri, na Baixada Fluminense. A iniciativa do PMDB acaba de vez com a esperança de Lindbergh ter o apoio do PMDB em sua chapa. Pezão, por sua vez, iniciará uma maratona de visitas e inaugurações de obras ao lado de Cabral.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO