‘PMDB volta a tripudiar sobre o governo Dilma’

Partido fez "manobra maquiavélica" ao colocar na rua uma sondagem a Eliseu Padilha para a coordenação política como se fosse um convite e conseguiu impor mais um desgaste à presidente Dilma, avalia Tereza Cruvinel, colunista do 247; "Com isso, o atual ministro da SRI, Pepe Vargas, perdeu as condições de continuar na pasta, acham os principais líderes no Congresso", diz a jornalista; ministro pode pedir demissão ainda hoje e Padilha, da Aviação Civil, recusou o cargo; enquanto isso, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, "está faturando a recusa de Padilha como mais uma vitória dele, que teria vetado a transferência"; restam poucos possíveis substitutos, segundo Tereza: o líder José Guimarães, o deputado Ricardo Zarattini e Ricardo Berzoini, que teria de deixar a pasta de Comunicações

Partido fez "manobra maquiavélica" ao colocar na rua uma sondagem a Eliseu Padilha para a coordenação política como se fosse um convite e conseguiu impor mais um desgaste à presidente Dilma, avalia Tereza Cruvinel, colunista do 247; "Com isso, o atual ministro da SRI, Pepe Vargas, perdeu as condições de continuar na pasta, acham os principais líderes no Congresso", diz a jornalista; ministro pode pedir demissão ainda hoje e Padilha, da Aviação Civil, recusou o cargo; enquanto isso, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, "está faturando a recusa de Padilha como mais uma vitória dele, que teria vetado a transferência"; restam poucos possíveis substitutos, segundo Tereza: o líder José Guimarães, o deputado Ricardo Zarattini e Ricardo Berzoini, que teria de deixar a pasta de Comunicações
Partido fez "manobra maquiavélica" ao colocar na rua uma sondagem a Eliseu Padilha para a coordenação política como se fosse um convite e conseguiu impor mais um desgaste à presidente Dilma, avalia Tereza Cruvinel, colunista do 247; "Com isso, o atual ministro da SRI, Pepe Vargas, perdeu as condições de continuar na pasta, acham os principais líderes no Congresso", diz a jornalista; ministro pode pedir demissão ainda hoje e Padilha, da Aviação Civil, recusou o cargo; enquanto isso, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, "está faturando a recusa de Padilha como mais uma vitória dele, que teria vetado a transferência"; restam poucos possíveis substitutos, segundo Tereza: o líder José Guimarães, o deputado Ricardo Zarattini e Ricardo Berzoini, que teria de deixar a pasta de Comunicações (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Tereza Cruvinel

O PMDB, mais uma vez, tripudiou sobre o governo Dilma com a recusa da coordenação política pelo ministro Eliseu Padilha. A manobra foi maquiavélica: o partido colocou na rua uma sondagem a Padilha como se fosse um convite e conseguiu impor mais um desgaste à presidente Dilma. Com isso, o atual ministro da SRI, Pepe Vargas, perdeu as condições de continuar na pasta, acham os principais líderes no Congresso. Dilma vai reunir-se com os líderes aliados no final da tarde para discutir novos rumos para a articulação política entre o Governo e o Congresso.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, está faturando a recusa de Padilha como mais uma vitória dele, que teria vetado a transferência do atual ministro da aviação civil para a SRI. A verdade é que Padilha concluiu que não teria instrumentos para garantir a fidelidade e os votos da maioria da bancada do PMDB, que hoje presta vassalagem a Cunha. Qualquer ministro da coordenação politica, seja de que partido for, não terá êxito se Dilma não lhe delegar autonomia para negociar com o Congresso. Isso pressupõe uma relação de confiança que ela teria com poucos políticos de sua base.

E muito menos com os peemedebistas, a partir do momento em que Eduardo Cunha passou a dominar o partido e a própria agenda da Câmara. Lula teve coordenadores políticos não petistas, como Aldo Rebelo, do PC do B, e Mares Guia e José Mucio, do PTB. No quadro atual, não é fácil encontrar nomes assim, com trânsito em toda a base. Um nome do PSD, por exemplo, seria trucidado pelo PMDB, que acusa o governo de ter fortalecido a sigla de Gilberto Kassab para lhe minar as forças.

Se hoje ainda Pepe Vargas pedir demissão, como se espera no Congresso que aconteça, Dilma poderá optar por um petista que tenha trânsito mais largo. Arlindo Chinaglia, um habilidoso articulador, deve ser descartado porque disputou com Eduardo Cunha a presidência da Câmara. Restam o líder José Guimarães, o deputado Ricardo Zarattini e Ricardo Berzoini, que teria de deixar a pasta de Comunicações. Foi durante sua curta passagem pela SRI, no primeiro mandato, que Dilma teve sua fase de melhor relacionamento com o Congresso.

Seja qual for a solução para o imbróglio da coordenação política, a pergunta que não cala continua no ar: o que quer o PMDB, que faz parte do governo mas dispensa a oposição em matéria de desgastar Dilma.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247