Política eleitoral de Dilma pode complicar Haddad

Presidente assumiu compromisso com a base aliada de não se envolver em campanhas municipais onde houver candidatos de mais de um partido; é o caso de São Paulo, onde Celso Russomano, do PRB, abre frente contra Fernando Haddad, de São Paulo; assunto foi discutido também em Londres

Política eleitoral de Dilma pode complicar Haddad
Política eleitoral de Dilma pode complicar Haddad (Foto: Folhapress_Maurício Storelli/Divulgação_Folhapress)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Logo no início dos Jogos Olímpicos de Londres, a presidente Dilma Rousseff visitou o Centro de Mídia da Record, que adquiriu os direitos de transmissão de Londres 2012. Lá, teve uma reunião reservada com Edir Macedo, dono da emissora, e com os dirigentes do PRB, partido da base aliada que, em São Paulo, lançou o candidato Celso Russomano. O assunto foi a eleição municipal em São Paulo e o pedido feito a Dilma foi um só: neutralidade.

Nem seria preciso. Uma semana antes, numa reunião com o Conselho Político, que reúne os líderes de todos os partidos da base, a presidente Dilma assumiu um compromisso: o de não se envolver nas eleições municipais, onde houver candidatos de várias siglas aliadas – mesmo que a disputa fosse considerada estratégica pelo PT. A questão foi colocada por Jovair Arantes, que é líder do PTB, e candidato à prefeitura de Goiânia contra o atual prefeito, Paulo Garcia, que é do PT.

Apesar dessa promessa, muitos avaliavam que Dilma se envolveria em algumas disputas. No entanto, ela decidiu honrar o compromisso, mesmo na cidade de São Paulo. Uma nota publicada na coluna Holofote, de Otávio Cabral, informa que, na capital paulista, a presidente não irá gravar comerciais para Fernando Haddad. Isso porque o candidato já teria imagens ao lado de Dilma, do tempo em que foi ministro da Educação. A razão, no entanto, é outra. Dilma recebeu o pedido do PRB, para não se envolver na disputa, e também do vice Michel Temer, do PMDB, que apoia Gabriel Chalita.

Essa política eleitoral, no entanto, pode frear a ascensão de Haddad em São Paulo. Na mais recente pesquisa do Ibope, Russomano alcançou 25% das intenções de voto e colou em José Serra, que tem 26%. Haddad permaneceu estancado em 6%. Até agora, ele não conquistou o apoio explícito de Marta Suplicy e Lula, em recuperação do seu tratamento contra o câncer, limitará sua participação na campanha à televisão. Nesse contexto, o distanciamento de Dilma pode fazer falta.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email