Prestes a cair, Temer diz, em vídeo, que país não parou

Rejeitado por 95% dos brasileiros e investigado por crimes de corrupção, organização criminosa e obstrução da Justiça, Michel Temer teve coragem de ir às redes sociais afirmar que o país não parou em meio à crise causada pelas revelações da JBS; em vídeo, mencionou rapidamente as manifestações da véspera, que ele disse terem ocorrido com "exageros"; protestos levaram Temer a assinar decreto autorizando o uso das Forças Armadas para garantia da lei e da ordem em Brasília, decreto revogado por ele nesta quinta, menos de 24 horas após sua edição

Rejeitado por 95% dos brasileiros e investigado por crimes de corrupção, organização criminosa e obstrução da Justiça, Michel Temer teve coragem de ir às redes sociais afirmar que o país não parou em meio à crise causada pelas revelações da JBS; em vídeo, mencionou rapidamente as manifestações da véspera, que ele disse terem ocorrido com "exageros"; protestos levaram Temer a assinar decreto autorizando o uso das Forças Armadas para garantia da lei e da ordem em Brasília, decreto revogado por ele nesta quinta, menos de 24 horas após sua edição
Rejeitado por 95% dos brasileiros e investigado por crimes de corrupção, organização criminosa e obstrução da Justiça, Michel Temer teve coragem de ir às redes sociais afirmar que o país não parou em meio à crise causada pelas revelações da JBS; em vídeo, mencionou rapidamente as manifestações da véspera, que ele disse terem ocorrido com "exageros"; protestos levaram Temer a assinar decreto autorizando o uso das Forças Armadas para garantia da lei e da ordem em Brasília, decreto revogado por ele nesta quinta, menos de 24 horas após sua edição (Foto: Aquiles Lins)

(Reuters) - O presidente Michel Temer comemorou em vídeo divulgado pelo Palácio do Planalto nesta quinta-feira a aprovação de medidas provisórias no Congresso Nacional e disse que o país não parou em meio à crise causada pela delação do empresário Joesley Batista, que atingiu em cheio o presidente.

No vídeo, Temer afirmou que o país não parou e não vai parar e, em meio a maior crise vivida em um ano de governo do peemedebista, mencionou rapidamente as manifestações da véspera, que ele disse terem ocorrido com "exageros".

Os protestos levaram Temer a assinar decreto autorizando o uso das Forças Armadas para garantia da lei e da ordem em Brasília, decreto revogado por ele nesta quinta, menos de 24 horas após sua edição.

(Por Eduardo Simões, em São Paulo)

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247