Propina a Cunha era paga até em voos de jato

Em depoimento ao Ministério Público Federal, o lobista Fernando Baiano detalha como teriam sido feitos todos os pagamentos ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ); entre eles o de US$ 5 milhões, em espécie, no escritório de Cunha no Rio; segundo Baiano, parte da propina foi repassada a Cunha em crédito no valor de R$ 300 mil em horas voo de um jato de propriedade do empresário Júlio Camargo, o primeiro a afirmar que Cunha havia recebido propina; Baiano prometeu ainda entregar um e-mail recebido de Cunha com a contabilidade da propina descrita em uma planilha; segundo ele, Cunha usava um email com a inicial "sacocheio"

Em depoimento ao Ministério Público Federal, o lobista Fernando Baiano detalha como teriam sido feitos todos os pagamentos ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ); entre eles o de US$ 5 milhões, em espécie, no escritório de Cunha no Rio; segundo Baiano, parte da propina foi repassada a Cunha em crédito no valor de R$ 300 mil em horas voo de um jato de propriedade do empresário Júlio Camargo, o primeiro a afirmar que Cunha havia recebido propina; Baiano prometeu ainda entregar um e-mail recebido de Cunha com a contabilidade da propina descrita em uma planilha; segundo ele, Cunha usava um email com a inicial "sacocheio"
Em depoimento ao Ministério Público Federal, o lobista Fernando Baiano detalha como teriam sido feitos todos os pagamentos ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ); entre eles o de US$ 5 milhões, em espécie, no escritório de Cunha no Rio; segundo Baiano, parte da propina foi repassada a Cunha em crédito no valor de R$ 300 mil em horas voo de um jato de propriedade do empresário Júlio Camargo, o primeiro a afirmar que Cunha havia recebido propina; Baiano prometeu ainda entregar um e-mail recebido de Cunha com a contabilidade da propina descrita em uma planilha; segundo ele, Cunha usava um email com a inicial "sacocheio" (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em depoimento aos investigadores da operação Lava Jato, o operador do PMDB na arrecadação de propinas em contratos da Petrobras Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, complicou ainda mais a situação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). 

Em seu depoimento ao Ministério Público Federal, Baiano detalha como teriam sido feitos todos os pagamentos ao peemedebista, a partir de 2011, entre eles o de US$ 5 milhões, em espécie, no escritório de Cunha no Rio. 

Parte da propina foi repassada a Cunha em crédito no valor de R$ 300 mil em horas voo de um jato de propriedade do empresário Júlio Camargo, o primeiro a afirmar que Cunha havia recebido propina de US$ 5 milhões. A propina devida era decorrente da venda de navios-sondas feitas à Petrobras pelas empresas Samsumg e Mitsui, no valor de US$ 35 milhões. 

Por causa da Operação Lava Jato, deflagrada em março de 2014, Cunha usou R$ 122 mil do valor a que tinha direito, em dez voos realizados entre julho e setembro do ano passado, numa época em que as investigações sobre desvios da Petrobras estavam em curso. Segundo a Procuradoria Geral da República, os voos teriam sido interrompidos, segundo a PGR, por causa do avanço da Operação Lava Jato.

Fernando Baino afirmou ainda que conversava com Cunha por meio de mensagens de BlackBerry. O lobista prometeu ainda entregar um e-mail recebido de Cunha com a contabilidade da propina descrita em uma planilha. Segundo ele, Cunha usava um email com a inicial "sacocheio".

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email