PT e PSB preparam reação a vazamentos

Candidata à reeleição, presidente Dilma Rousseff vai solicitar acesso ao depoimento de Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, para tomar providências em relação a membros do seu governo; no PSB, da presidenciável Marina Silva, o vice da chapa, deputado Beto Albuquerque (PSB-RS), já prepara defesa de Eduardo Campos, entre os suspeitos de recebimento de propina de contratos da estatal; ele vai usar argumento de que família do falecido tem sofrido com o caso e que o ex-governador sempre apoiou investigações de eventuais ilegalidades na empresa

Candidata à reeleição, presidente Dilma Rousseff vai solicitar acesso ao depoimento de Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, para tomar providências em relação a membros do seu governo; no PSB, da presidenciável Marina Silva, o vice da chapa, deputado Beto Albuquerque (PSB-RS), já prepara defesa de Eduardo Campos, entre os suspeitos de recebimento de propina de contratos da estatal; ele vai usar argumento de que família do falecido tem sofrido com o caso e que o ex-governador sempre apoiou investigações de eventuais ilegalidades na empresa
Candidata à reeleição, presidente Dilma Rousseff vai solicitar acesso ao depoimento de Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, para tomar providências em relação a membros do seu governo; no PSB, da presidenciável Marina Silva, o vice da chapa, deputado Beto Albuquerque (PSB-RS), já prepara defesa de Eduardo Campos, entre os suspeitos de recebimento de propina de contratos da estatal; ele vai usar argumento de que família do falecido tem sofrido com o caso e que o ex-governador sempre apoiou investigações de eventuais ilegalidades na empresa (Foto: Roberta Namour)

247 – A menos de um mês das eleições, PT e PSB, que lideram as pesquisas de intenções de voto, preparam estratégia de reação aos vazamentos da delação premiada de Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras.

Costa teria citado senadores e deputados da base aliada, além do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, como beneficiários do recebimento de propina de contratos da estatal. O ex-candidato à Presidência pelo PSB Eduardo Campos, morto em agosto, também faz parte da lista.

O governo pretende solicitar acesso ao depoimento, mas isso só pode ser feito após o fim da delação, que não tem prazo para acabar.
A presidente Dilma Rousseff disse neste domingo que aguardará pela informação oficial dos órgãos de investigação para tomar providências em relação a membros do seu governo. "Eu acho que não lança suspeita nenhuma sobre o governo, na medida em que ninguém do governo foi oficialmente acusado. O governo tem tido em relação a essa questão uma posição extremamente clara. Aliás, foi órgãos do governo que levaram a essa investigação, foi a polícia federal, não caiu do céu. Foi uma iniciativa da Polícia Federal e também de outros órgãos, como ministério público e judiciário. O governo está investigando esta questão", ressaltou.

Do lado do PSB, da presidenciável Marina Silva, o vice da chapa, deputado Beto Albuquerque (PSB-RS), já se posicionou sobre o caso: "O PSB já requereu acesso ao processo. Ele é sigiloso, mas queremos ler, saber exatamente com detalhes o que foi feito", afirmou.

Ele afirma que a família de Campos tem sofrido com as suspeitas e vai usar o argumento de que o ex-governador sempre apoiou investigações de eventuais ilegalidades na estatal.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247