PT pede que o STF “fatie” denúncias contra Temer e ministros

Se depender do PT, Michel Temer e seus aliados ainda não poderão cantar vitória por enterrar a segunda denúncia da PGR na Câmara; os deputados Paulo Teixeira (PT-SP) e José Guimarães (PT-CE) pediram nesta segunda-feira (24) ao Supremo Tribunal Federal (STF) que fatie a votação da denúncia contra Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral); a Câmara definiu que será feita somente uma votação, mas os deputados do PT querem o fatiamento, com quatro votações: acusação contra Temer por obstrução de Justiça; acusação contra Temer por organização criminosa; acusação contra Padilha por organização criminosa; acusação contra Moreira por organização criminosa; 

 Moreira Franco
Michel Temer
Eliseu Padilha
 Moreira Franco Michel Temer Eliseu Padilha (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Os deputados Paulo Teixeira (PT-SP) e José Guimarães (PT-CE) pediram nesta segunda-feira (24) ao Supremo Tribunal Federal (STF) que fatie a votação da denúncia contra  Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral).

A sessão em que os deputados decidirão se autorizam ou não o prosseguimento da denúncia para análise do Judiciário está marcada para esta quarta (25).
A Câmara definiu que será feita somente uma votação, mas os deputados do PT querem o fatiamento, com quatro votações:

- Acusação contra Temer por obstrução de Justiça;
- Acusação contra Temer por organização criminosa;
- Acusação contra Padilha por organização criminosa;
- Acusação contra Moreira por organização criminosa.

Mais cedo, nesta terça, o ministro do STF Marco Aurélio Mello negou pedido semelhante, apresentado por um deputado do PCdoB. Para o ministro, cabe à Câmara definir o rito da votação.

O resultado da votação desta quarta, pelo rito definido pela Câmara, valerá para Temer, Eliseu Padilha e Moreira Franco.

"Retirar a prerrogativa de escolha dos parlamentares, obrigando-os a se manifestar em única votação de 'sim' ou 'não' sobre a conduta de três pessoas, fere princípios básicos do Estado Democrático de Direito e confunde os cidadãos brasileiros que estão acompanhando esse debate público", diz trecho do documento apresentado pelos deputados do PT.

A decisão do pedido dos petistas caberá também ao ministro Marco Aurélio.

As informações são de reportagem de Fernanda Calgaro no G1.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247