'Quem confia inteiramente no PMDB?', pergunta Lupi

Presidente nacional do PDT classificou como "oportunismo" a carta do vice-presidente Michel Temer (PMDB) à presidente Dilma Rousseff; ele criticou o trecho em que Temer diz que Dilma não confia nele e nem no PMDB; "O PMDB é como uma federação, cada estado tem uma realidade e você tem, dentro do PMDB, o que apoiou a Dilma e o que apoiou o Aécio. Então, outra coisa que pergunto: de qual PMDB ele fala na carta?", questiona

Presidente nacional do PDT classificou como "oportunismo" a carta do vice-presidente Michel Temer (PMDB) à presidente Dilma Rousseff; ele criticou o trecho em que Temer diz que Dilma não confia nele e nem no PMDB; "O PMDB é como uma federação, cada estado tem uma realidade e você tem, dentro do PMDB, o que apoiou a Dilma e o que apoiou o Aécio. Então, outra coisa que pergunto: de qual PMDB ele fala na carta?", questiona
Presidente nacional do PDT classificou como "oportunismo" a carta do vice-presidente Michel Temer (PMDB) à presidente Dilma Rousseff; ele criticou o trecho em que Temer diz que Dilma não confia nele e nem no PMDB; "O PMDB é como uma federação, cada estado tem uma realidade e você tem, dentro do PMDB, o que apoiou a Dilma e o que apoiou o Aécio. Então, outra coisa que pergunto: de qual PMDB ele fala na carta?", questiona (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, classificou como "oportunismo" a carta do vice-presidente Michel Temer (PMDB) à presidente Dilma Rousseff. 

Ele criticou o trecho em que Temer diz que Dilma não confia nele e nem no PMDB. "Eu já começo me perguntando, quem é que confia inteiramente no PMDB? O PMDB é como uma federação, cada estado tem uma realidade e você tem, dentro do PMDB, o que apoiou a Dilma e o que apoiou o Aécio. Então, outra coisa que pergunto: de qual PMDB ele fala na carta?", questiona Lupi. 

O presidente do PDT, que tem Ciro Gomes como pré-candidato a presidente, questionou por que Temer aceitou concorrer à reeleição junto com Dilma em 2014, se se considerava um vice decorativo. "Neste momento, me parece oportunismo e isso não é coerente com o histórico do Michel Temer. Agora, a população não é boba e está vendo como o processo está se dando. Ele é o principal beneficiário dessa história, isso é inegável. Está tudo muito estranho e isso me cheira a oportunismo", afirmou. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247