Rede pede ao STF autorização para estados executarem plano de vacinação independente do Ministério da Saúde

O partido alega que o plano de vacinação da pasta é genérico, não apresenta claramente quais vacinas seriam utilizadas e nem as datas de imunização. A legenda também aponta o "descompromisso" do governo federal em relação a vacinação. Decisão cabe ao ministro Lewandowski

(Foto: ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O partido Rede Sustentabilidade apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira (8) um pedido para que seja garantido aos estados a possibilidade de executar seus planos de vacinação contra a Covid-19 independentemente da estratégia do Ministério da Saúde. A decisão cabe ao ministro Ricardo Lewandowski.

A legenda questiona um dos pontos de medida provisória editada nesta semana que determina que estados sigam o plano de vacinação formulado pelo ministério.

A Rede alega que o plano da pasta é genérico, não apresenta claramente quais vacinas seriam utilizadas e nem as datas de imunização de cada parcela da sociedade. A irresponsabilidade do governo com a proteção da saúde da população também foi apontada como motivo para  a requisição.

“Dado o cenário em que se vê um aparente descompromisso do Executivo Federal com a saúde da população brasileira — o que foi a tônica da condução de todos os 10 meses de enfrentamento à pandemia até agora e parece ser novamente o norte da bússola durante a etapa da sonhada vacinação da população –, não é crível aceitar que a organização de determinados Entes Federados seja freada ou punida com a aparente desordem do Governo Federal”, diz a legenda.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247