Requião já vetou lei contra o bullying

Senador, que se disse molestado por reprter da Band, vetou projeto contra agresses escolares quando era governador do Paran

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornal O Globo desta quinta-feira expõe as contradições do senador Roberto Requião, que se disse "vítima de bullying", ao ser perguntado sobre a aposentadoria especial de R$ 24 mil que recebe como ex-governador do Paraná. Requião vetou em 2007 um projeto do deputado Douglas Fabrício, do PPS, que autorizava a criação de um programa estadual de combate ao bullying.

- Achei muito estranho o senador Requião, com aquele jeitão dele, aquele tamanhão todo, reclamar de bullying. Como ele pode alegar que está sofrendo bullying se foi contra o combate ao bullying no Paraná? - argumentou o deputado.

Aprovado em todas as comissões e pelo plenário da Assembleia Legislativa, o projeto de Douglas Fabrício foi elaborado quando se começava a discutir o assunto no Brasil.

- Queria colocar o Paraná na vanguarda do tema, começando a discussão sobre esse assunto - explicou nesta quarta-feira.

Mas, para decepção do deputado, o então governador Requião vetou a proposta no dia 24 de dezembro de 2007. As alegações eram de que o projeto era "contrário aos interesses públicos", sem mais explicações, e que a Secretaria estadual da Educação já tinha programas equivalentes, no Grupo de Enfrentamento da Violência e nas aulas de Sociologia.

- Na verdade ele vetou porque eu estava na oposição. Ele arrumou esses argumentos como poderia ter utilizado qualquer outro - resumiu Douglas que, informou, já reapresentou o projeto este ano e espera que seja sancionado pelo atual governador Beto Richa (PSDB).

Leia, abaixo, a reportagem publicada pelo 247 na quarta-feira, sobre as declarações de Requião:

Ao mesmo tempo em que o Sindicato dos Jornalistas de Brasília protocolava no Senado uma representação contra o senador Roberto Requião (PMDB-PR), que ontem tomou o gravador de um repórter e apagou seu disco de memória, o parlamentar foi à tribuna dizer que é vítima de "bullying" - a palavra de origem inglesa da moda que significa o assédio e a violência de uma pessoa mais forte sobre uma mais fraca.

"Acho que é um momento correto para resolvermos esse problema e acabarmos com o abuso, com esse verdadeiro bullying que sofremos nós, os brasileiros, parlamentares ou não, nas mãos de uma imprensa, muitas vezes, absolutamente provocadora e irresponsável", disse Requião no discurso.

Ontem, ao entrevistar Requião, o repórter Victor Boyadjian, da Rádio Bandeirantes, perguntou sobre a aposentadoria de R$ 24 mil que o senador tem como ex-governador do Paraná. Dizendo-se provocado, Requião tomou o gravador do repórter.

A Associação Nacional de Jornais (ANJ) criticou a atitude de Requião. "Condenável em qualquer cidadão, o impedimento do livre exercício da atividade jornalística foi agravado neste caso pelo fato de ter partido de um homem público, em total desacordo com as mais básicas normas de civilidade e da convivência democrática", diz o presidente da entidade, Francisco Mesquita Neto.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email