Santana admitirá caixa 2 em campanhas no exterior

Marqueteiro, no entanto, assegura que pagamentos de US$ 7,5 milhões feitos pela Odebrecht não têm relação com campanhas brasileiras, como da presidente Dilma Rousseff ou do prefeito Fernando Haddad; João Santana fez campanhas em países onde a Odebrecht realiza obras, como Angola, El Salvador e Panamá; em tese, o marqueteiro deveria ter recebido recursos dos comitês de campanhas dos candidatos, e não da empreiteira, o que pode significar a abertura de novos processos contra a Odebrecht no exterior; oposição tentará cassar Dilma no TSE alegando que pagamentos dizem respeito à campanha de 2014

www.brasil247.com - Marqueteiro, no entanto, assegura que pagamentos de US$ 7,5 milhões feitos pela Odebrecht não têm relação com campanhas brasileiras, como da presidente Dilma Rousseff ou do prefeito Fernando Haddad; João Santana fez campanhas em países onde a Odebrecht realiza obras, como Angola, El Salvador e Panamá; em tese, o marqueteiro deveria ter recebido recursos dos comitês de campanhas dos candidatos, e não da empreiteira, o que pode significar a abertura de novos processos contra a Odebrecht no exterior; oposição tentará cassar Dilma no TSE alegando que pagamentos dizem respeito à campanha de 2014
Marqueteiro, no entanto, assegura que pagamentos de US$ 7,5 milhões feitos pela Odebrecht não têm relação com campanhas brasileiras, como da presidente Dilma Rousseff ou do prefeito Fernando Haddad; João Santana fez campanhas em países onde a Odebrecht realiza obras, como Angola, El Salvador e Panamá; em tese, o marqueteiro deveria ter recebido recursos dos comitês de campanhas dos candidatos, e não da empreiteira, o que pode significar a abertura de novos processos contra a Odebrecht no exterior; oposição tentará cassar Dilma no TSE alegando que pagamentos dizem respeito à campanha de 2014 (Foto: Roberta Namour)


247 – Preso na manhã desta terça-feira, chegada ao Brasil, o marqueteiro João Santana deve admitir na Lava Jato caixa 2 em campanhas no exterior. Ele e sua mulher, a publicitária Mônica Moura, também presa pela PF, estavam na República Dominicana, onde atuavam na campanha de reeleição do presidente, Danilo Medina.

Santana assegura que pagamentos de US$ 7,5 milhões feitos pela Odebrecht não têm relação com campanhas brasileiras, como da presidente Dilma Rousseff ou do prefeito Fernando Haddad.

Ele fez campanhas em países como Angola, El Salvador e Panamá em países onde a Odebrecht realiza obras. Em tese, o marqueteiro deveria ter recebido recursos dos comitês de campanhas dos candidatos, e não da empreiteira, o que pode significar a abertura de novos processos contra a Odebrecht no exterior.

Ainda forçando um terceiro turno, a oposição tentará cassar Dilma no TSE alegando que pagamentos dizem respeito à campanha presidencial de 2014.

Leia aqui reportagem de Mario Cesar Carvalho sobre o assunto.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247