Se um militante numa noite de inverno

Ele detinha informações que possibilitariam a qualquer um manobrar ao próprio sabor o julgamento do mensalão, mas perdeu o voo

Você vai começar a ler a nova crônica de Rodolfo Borges, Se um militante numa noite de inverno. Relaxe. Concentre-se. Afaste todos os outros pensamentos. Arrume-se na cadeira. Ou no sofá, se estiver lendo em seu notebook ou num tablet. Você não espera muito da leitura, mas o texto parece curto e a presença, no título, do termo "militante", em ano de eleição e às vésperas do julgamento do mensalão, conseguiu segurá-lo até aqui, quando sua paciência acaba. Ao decidir abandonar a leitura, você vai à caixa de comentários para um desabafo enfurecido contra o autor, cuja tentativa de estilo falhou mais uma vez.

Após despejar os impropérios, mais calmo e em busca de mais elementos para criticar o obtuso cronista, você retorna ao texto e ironicamente começa a se interessar pela história de um homem que lhe surge parado em frente ao portão de embarque de um aeroporto. Ele carrega uma maleta, e o fato de carregar essa maleta chama mais atenção do que qualquer outra de suas características, dada a forma rígida com que a alça é apertada. O olhar fixo diante do portão de vidro cerrado denuncia que ele perdeu o voo.

É normal perder avião hoje em dia, você sabe, e é por isso que se intriga com o fato de esse senhor parecer tão perturbado por não ter entrado naquele voo de ponte aérea. É que, naquele momento, ao lado do vazio assento 7C, está sentado o homem que deveria receber o conteúdo da tal maleta, recheada de arquivos com detalhes sobre os votos de cada um dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal no processo do mensalão.

A maleta guarda mais: segredos comprometedores dos magistrados da Corte Suprema, que, usados seletivamente, possibilitariam a qualquer um manobrar o resultado do processo ao próprio sabor. Informações colhidas em vídeos das melhores safras Carlinhos Cachoeira e Durval Barbosa, além de documentos verdadeiros e falsos que expõem maracutaias e intimidades da Alta Corte, num material que definiria os futuros de José Dirceu e Delúbio Soares.

Esses detalhes sórdidos passariam pelo menos mais um dia incógnitos, mas o portador da maleta estava mais preocupado com a possibilidade de perder a bolada prometida, já que esse fora seu segundo vacilo em menos de uma semana. Era nisso que o araponga pensava no momento em que, ao cruzar com um homem de sobretudo e chapéu, ouviu a proposta: "dou o dobro do que eles prometeram".

Quando, recuperado do susto, o portador da maleta se prepara para responder, você percebe que o texto volta ao primeiro parágrafo. Um erro na hora de arrumar a crônica na página, provavelmente. Curioso por saber como continua a história, o leitor parte em busca do restante do texto em outros sites e acaba se deparando com um título parecido, de um livro chamado Se um viajante numa noite de inverno, publicado por Italo Calvino em 1979.

Logo fica clara a conexão entre os textos, já que os dois começam da mesma forma. Mas os resumos, críticas e análises literárias sobre o livro de Calvino espalhados pela rede não dão conta de elucidar o que o julgamento do maior escândalo do governo Lula tem a ver com uma obra escrita há quase 40 anos. Sem conseguir resposta do cronista para suas dúvidas, você decide comprar o livro – não sem antes despejar mais ofensas na caixa de comentários.

Leia mais em Literatura de verdade

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247.Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247