Seria a vez do DEM em Goiás?

As gravações das escutas de Cachoeira baixaram a âncora dos possíveis voos que os Democratas poderiam alçar

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Muito já foi dito sobre as ações que brotam diariamente sobre o caso que envolve o assunto do momento. A Operação Monte Carlo e seus personagens povoam a realidade de todos e alimentam o imaginário de muitos. A cada nova informação, novas teorias são formadas, ataques, defesas e tentativas de se prever o que ainda poderá vir.

Ao entendimento aturdido, principalmente dos goianos, nada mais parece ser forte de mais ou novo de mais, para açoitar os ouvidos ou a compreensão de quem já está se acostumando em ver o país estampado com as notícias de Goiás.

Com a queda de mitos e símbolos, como foi o caso do Senador Demóstenes Torres, juntamente com mais um agrupamento de nomes do meio político, empresários e outros infortunados, as proporções do desastre provocado pelas investigações estão longe de serem totalmente reveladas.

Muitos foram prejudicados de maneira direita e indireta por estas ações, que alguns envolvidos ou citados garantem não terem tido conhecimento, enquanto produziam uma rede mafiosa de interesses de grupos que já estavam acostumados a viver, lado a lado com o poder. A Monte Carlo, mostrou para todas as classes, muito daquilo que habita longe dos olhos e do conhecimento dos espectadores comuns.

Os adjetivos, não tão amistosos, recebidos pelo senador sem partido, superaram o vocabulário da maioria. O DEM, seu antigo partido, sofreu um forte golpe ao ver um dos seus representantes de maior respaldo comprometer a história de toda uma legenda que agrega nomes como os de Ronaldo Caiado e do atual vice-governador, José Eliton Jr. Mesmo que qualquer membro afirmasse que era uma ação isolada.

O Democratas sempre foi detentor de uma tradição austera e determinada, indiferente às críticas de opositores, marcando sua forma de ação pelo idealismo de uma bancada de esquerda. Ronaldo Caiado traçou uma carreira política, galgada entre as bases ruralistas que se mantiveram presentes em seus discursos e ações em prol da categoria e de várias outras. Atuante em um estilo de política que defende ser pautada pela ética, foi dele a indicação do nome de José Eliton, em 2010, para ocupar a posição de vice de Marconi. Neste momento, Demóstenes e seu partido, eram considerados as “noivinhas” por todas as bases. Todas as três candidaturas de maior visibilidade no estado cobiçaram a possibilidade de ladearem um palanque com os eles, Demóstenes e DEM. O interesse não era apenas pelo tempo de TV, mas também, pela representatividade e o peso que o nome de Demóstenes Torres possuía. Até mesmo para o PMDB, antigo adversário, a idéia soava como interessante, apesar de distantes serem as possibilidades.

As gravações das escutas de Cachoeira baixaram a âncora dos possíveis voos que os Democratas poderiam alçar. Demóstenes conheceu o Tártaro em vida, colocando sua carreira política e visão de homem público em uma situação agonizante. Com isso, não há como negar o fato de que a imagem de seu partido, também foi abalada devido a todos estes escândalos. Mesmo sendo forte nas ideologias, o partido é fraco em números de representantes de destaque na Federação. A perda do Senador, removido da legenda, não foi uma perda qualquer.

Medidas internas foram tomadas. Caiado praticamente se silenciou junto com seus correligionários. Muito pouco foi dito e a ausência do deputado, além de notada, passou a ser incômoda. No meio da tempestade que passou a inundar imagens tucanas, ainda há um nome pouco comentado durante essa tormenta, o nome de José Eliton Jr, que deu seqüência aos compromissos governamentais, e vem cumprindo seus afazeres de maneira discreta e ao que parece eficiente.

Com as denúncias que recaem sobre o governo aliadas a reações populares, como a que ocorreu no último dia 14, não seria demagogia ou irracionalidade, atentar sobre o fato, de que pode estar perto de mais, a possibilidade José Eliton vir a assumir a cadeira verde do estado. Principalmente, caso continue ocorrendo esta onda de mobilizações populares e as freqüentes acusações e complicações no governo, José Eliton, o moço discreto dos Democratas, que cheguei a comparar em 2010, com uma “espinha de peixe”, que teve de ser engolida por Marconi, por exigência de Caiado para garantir a aliança e o apoio de Demóstenes em sua campanha, poderá passar em breve, a ser o redentor do partido. É lógico que o caminho não é tão simples assim. São necessários vários passos até que isso se concretize. Mas caso o vice-governador passe a ser lembrando pela população, isso seria um grande auxílio.

Esta poderia ser a “luz no fim do túnel”, para um partido que acabara de perder um forte nome no Senado, mas que agora tem chances reais de poder governar um estado, com as dimensões de Goiás. Não seria então, insolência, caso imaginássemos o rapaz que ocupa sua agenda de maneira pontual e sistêmica, distante dos fatos que corroem as vigas do poder paralelo, estar prestes a assumir a frente do poder estadual. Mas as lembranças políticas nos levam a pensar, em como seria esta convivência, entre Caiado e aqueles que ainda seguiriam a “linha Marconista”. Sem contar a possibilidade de uma grande mudança da base aliada, com novas adesões ou debandadas.

Detalhes à parte, os Democratas podem ter perdido um pedaço da sua carne, mas não estão distantes da possibilidade de realizarem um enxerto, de igual importância e peso significativo, mostrando que o DEM não estaria morto, como alguns atreveram a anunciar.

Souza Filho é jornalista e criador do blog Ponto Geral

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email