Serra parte para cima do autor da Privataria

Pr-candidato do PSDB em So Paulo resolve acionar na Justia Amaury Ribeiro Jr., o autor do livro Privataria Tucana; por que agora?; porque Serraouviu de fonte segura que o araponga Dad, que ser investigado pela CPI do Cachoeira, contribuiu de alguma forma para a produo da obra

Serra parte para cima do autor da Privataria
Serra parte para cima do autor da Privataria (Foto: Montagem/247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Demorou, mas o tucano José Serra resolveu acionar na Justiça o jornalista Amaury Ribeiro Jr. e a Geração Editorial pela publicação do livro Privataria Tucana. A infomação foi dada em primeira mão pelo jornalista Luiz Carlos Azenha, no blog vi o mundo. Segundo Azenha, Amaury recebeu a notificação nesta quinta-feira.

O que Azenha não disse é que Serra se sentiu confortável para processar Amaury depois de receber a informação de que o araponga Idalberto Matias de Araújo, o Dadá, contribuiu com informações para o livro. Dadá estará na linha de tiro durante a CPI do Cachoeira, que será criada nesta quinta-feira pelo Congresso Nacional. O araponga de Cachoeira já foi mencionado como possível integrante do comitê de campanha da então candidata Dilma Rousseff, em 2010 – ele teria sido contactado pelo comitê eleitoral para cuidar da segurança da casa onde funcionava a campanha da hoje presidente Dilma.

Na ação de indenização por dano moral, Serra pede que o cálculo do valor a ser pago, em caso de condenação, seja baseado na vendagem do livro, levando em conta o preço de R$ 34,90. “Esse componente da indenização deverá ser fixado sobre parte do valor de capa, não inferior ao percentual praticado para a remuneração do autor e não inferior à margem de lucro da própria editora, de modo que os réus não prossigam auferindo lucros que resultem de uma conduta ilícita”, diz a ação.

Serra alega ter sido acusado, no livro, de receber propina de empresas envolvidas nas licitações realizadas nos processos de privatização de empresas públicas nacionais, valendo-se da sua condição de Ministro do Planejamento e coordenador do programa de desestatização no Governo do Presidente Fernando Henrique Cardoso; e de ter criado rede de espionagem para investigar Aécio Neves, Governador do Estado de Minas Gerais — a quem teria chantageado — valendo-se, para tanto, da sua condição de Governador do Estado de São Paulo e do uso de recursos do Tesouro paulista.

Segundo Amaury, Serra não foi acusado diretamente, no livro, de receber propinas. “Como não consegue contestar o conteúdo do livro, a ação indenizatõria se baseia em fatos deturpados por Serra ou distorcidos pela imprensa durante a campanha eleitoral de 2010″, disse Amaury a Azenha. Na ação, Serra diz que Amaury, ao depor na Polícia Federal, teria confessado a quebra de sigilo de parentes do tucano, “o que não aconteceu”, afirma o jornalista.

“A ação é fraca, uma piada, uma aberração jurídica, que com certeza me dará subsídios para escrever a Privataria Tucana II”, considera Amaury. “Foi feita na prorrogação do segundo tempo, só depois que o Serra se declarou candidato a prefeito, para que ele se justifique se o tema vier à tona durante a campanha eleitoral”, continua. “Eu nunca perdi uma ação na minha vida e não vou dar ao Serra o prazer de ficar com o dinheiro de meu trabalho”, concluiu, em declaração a Azenha.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email