Sociólogo diz que corrupção de Temer abre dilema para a direita brasileira

"O barraco dos conservadores foi o canário na mina: é sinal de uma crise chegando, e de uma disputa real dentro da direita brasileira, que deve se tornar mais acirrada nos próximos meses", escreve Celso Rocha de Barros, sobre a briga entre Reinaldo Azevedo e Joice Hasselmann; para ele, a direita brasileira, que sonha com Bolsonaro, "precisa se decidir sobre Temer; abandoná-lo é colocar em risco as reformas de mercado, apoiá-lo é colocar-se no centro do alvo da Lava Jato. Não será fácil"

"O barraco dos conservadores foi o canário na mina: é sinal de uma crise chegando, e de uma disputa real dentro da direita brasileira, que deve se tornar mais acirrada nos próximos meses", escreve Celso Rocha de Barros, sobre a briga entre Reinaldo Azevedo e Joice Hasselmann; para ele, a direita brasileira, que sonha com Bolsonaro, "precisa se decidir sobre Temer; abandoná-lo é colocar em risco as reformas de mercado, apoiá-lo é colocar-se no centro do alvo da Lava Jato. Não será fácil"
"O barraco dos conservadores foi o canário na mina: é sinal de uma crise chegando, e de uma disputa real dentro da direita brasileira, que deve se tornar mais acirrada nos próximos meses", escreve Celso Rocha de Barros, sobre a briga entre Reinaldo Azevedo e Joice Hasselmann; para ele, a direita brasileira, que sonha com Bolsonaro, "precisa se decidir sobre Temer; abandoná-lo é colocar em risco as reformas de mercado, apoiá-lo é colocar-se no centro do alvo da Lava Jato. Não será fácil" (Foto: Gisele Federicce)

247 - O sociólogo Celso Rocha de Barros, em coluna na Folha nesta segunda-feira 27, avalia que "a direita brasileira precisa se decidir sobre Temer; abandoná-lo é colocar em risco as reformas de mercado, apoiá-lo é colocar-se no centro do alvo da Lava Jato". "Não será fácil", adianta.

Barros o barraco entre Reinaldo Azevedo e Joice Hasselmann na última semana, e diz que a briga "foi o canário na mina: é sinal de uma crise chegando, e de uma disputa real dentro da direita brasileira, que deve se tornar mais acirrada nos próximos meses".

Para explicar a divisão na direita, ele avalia que Azevedo, que apoia o governo Temer e, recentemente, começou a fazer críticas à Lava Jato, "tem trânsito na direita institucional brasileira", em linha mais ou menos com o DEM ou com a direita do PSDB. "Esses setores investiram pesadamente no governo Temer. E todo mundo ali vai aparecer nas delações", destaca.

Olavo de Carvalho e Rodrigo Constantino, afirma o colunista, é o contrário: "são recém-chegados buscando maior inserção institucional. Não se importariam se a política brasileira implodisse". "Para essa turma, o ideal é que a cruzada anticorrupção pare no PT", diz.

"No cenário de implosão, Azevedo os ameaça com Lula; mas eles sonham, aberta ou secretamente, com Bolsonaro. E, sobretudo, cada um deles sonha ser Steve Bannon, o assessor de extrema-direita de Trump".

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247